25.9.09

Respeitinho?












Dando uma volta por uns tantos blogues, vê-se que há muitas «despedidas» da campanha eleitoral. Será que se preparam para não perturbarem a reflexão dos leitores, a partir das 0:00 de amanhã? Isso, sim, seria a entrada oficial e definitiva da blogosfera no maistream!

21 comments:

jorge c. disse...

Sabe que há um sítio onde respeito é uma palavra que não existe, não sabe?

Joana Lopes disse...

Aqui também não...

Rui disse...

Partilho inteiramente da perplexidade, Joana. Há por aí «bom-comportamentismo» a mais.

Joana Lopes disse...

Já avisei aqui ao lado que aqui não se respeita o período de reflexão.

jpt disse...

Já há muito que entrou

Jorge Conceição disse...

Reflectir, como o espelho: reenviar as imagens recebidas, conformadas, deformadas, informadas, reformadas...

Joana Lopes disse...

Boa reflexão, Jorge.

Anónimo disse...

Cara Joana Lopes:

Creio cordialmente que uma coisa é cada blogger respeitar ou não as limitações do dia de reflexão e, como eu costumo dizer (não por acaso), por maioria de razão, o dia de votação.

Com todo o respeito, acho que aqueles que vão mais longe e consideram essas limitações um absurdo estão só estreitamente a pensar na SUA liberdade porque talvez já a liberdade de outros (designadamente dos partidos) não lhe mereceria tanto agrado.

Ou seja, não lhes ocorre que, se fosse como dizem dever ser, então teríamos ainda campanha dos partidos durante todo o sábado e até às 19 hs de domingo e, mais metro menos metro, cairíamos naquele espectáculo brasileiro do
«bate-boca» à beira das urnas (concentrações de militantes que pressionam as filas de eleitores).

Eu, por mim, posso estar velho e ultrapassado, mas continuo a achar que as limitações do dia de reflexão e o dia de votação são um bom elemento da cultura democrática pós-25 de Abril.

Joana Lopes disse...

Caro Vítor Dias
Obrigada pelo seu comentário.

Por acaso, eu poderia ter dito, mas não disse, que as limitações oficiais impostas eram «um absurdo» ou deixavam de o ser.

O que penso – e insisto nisto cada vez mais convictamente – é que a blogosfera vai perdendo o seu espaço próprio de informalidade, fora do sistema, que lhe conferia um papel muito específico. Por outro lado, os posts publicados às 23:59 ontem lá estão, tão visíveis, como os da 0:01 de hoje, não?

Nem respondo à sua insinuação de que eu só penso na MINHA liberdade…

E, já agora e com humor: recebi na minha reader uma Newsletter da CDU (subscrevo-a, veja lá…), apelando ao meu voto, enviada às 0:05 de hoje…

Anónimo disse...

Cara Joana Lopes:

É claro que os posts das 23.59 hs, estão lá como estão lá as edições online de hoje e antes dos jornais, os sítios dos partidos concorrentes, etc. etc, como estão nas ruas. praças e avenidas os MUPI's e outdoors etc. e tal.

Mas tudo isso é «estático» e portanto diferente do prolongamento de uma campanha.

A Joana perdoe mas aqueles que de, boa fé, ridicularizam as limitações do dia de reflexão e de votação e se ofendem por uma referência à possibilidade de estarem só a pensar na sua liberdade, se querem discutir seriamente este assunto, têm então o dever de nos explicar como seriam as coisas organizadas para não se criar uma inadmissível situação de diferença de direitos e capacidades de intervenção.

Joana Lopes disse...

Repito, Vítor Dias: eu NÃO escrevi um post sobre as limitações públicas impostas hoje e amanhã, mas sobre a evolução da blogosfera, onde o panorama foi bem diferente a propósito das últimas autárquicas, há apenas dois anos e meio.

Se eu vier a querer escrever sobre o primeiro assunto, fá-lo-ei. Mas não porque o VD, ou quem quer que seja, me diga que tenho o DEVER de o fazer – era o que faltava!

Jorge Conceição disse...

E um telefonema para um familiar ou um amigo? E ir tomar uma bica com uns vizinhos? Ponho os "pontos nos ii" dizendo à partida que só falo de flores?

Joana Lopes disse...

Claro, Jorge, e por aí fora: sonhar alto também não pode ser, sobretudo se se adormecer num banco de hardim.

ANA VIDIGAL disse...

"Liberdade... Quem a tem chama-lhe a sua."
(peça de teatro "Liberdade Liberdade,Encenação de Boal, Teatro Villaret, 1974/5)

A "rebeldia" serôdia, neste caso só tem um nome: má educação.

Anónimo disse...

Cara Joana Lopes:

Com o meu comentário aconteceu um equívoco que é culpa minha.

Se bem reparar, o meu 1º comentário começa como começa e nunca me refiro ao que a Joana concretamente escreveu (escrevi coisas do tipo «aqueles que..»)

Digamos que pretendi fazer uma «reflexão» para além do seu «post».

Em boa verdade, vim aqui à sua caixa espingardear contra o que escreveu Rui Bebiano.

Espero que agora fique tudo mais claro e peço desculpa pelo método.

Anónimo disse...

Vítor Dias, não acha que podemos distinguir entre campanha, a que é feita pelos partidos e por apoiantes organizados, e a conversa entre pessoas? É que, pelo menos para pessoas como eu, a internet é, quase sempre, só um sítio onde se conversa. Se respeito o fim da campanha partidária (no meu caso, da CDU), não deixo de conversar, a sério ou a brincar, durante estes dois dias, ou de discutir política e eleições com pessoas que conheço e querem fazê-lo. Na internet e fora dela (respeitando o local de voto, é claro, isso é um caso diferente).

Já não sei onde o escrevi, mas vejo um caso em que pode fazer sentido respeitar o tal período de reflexão mesmo aqui: quando se trata de blogs oficiais e oficiosos dos partidos e das campanhas. Se se funciona como parte integrante da campanha, acho normal respeitar as regras desta.

Ana, quem diabo é que foi mal-educado? Até aqui, pareceu-me uma troca civilizada de pontos de vista. Essa história de a discordância ser má-educação... enfim.

Inês Meneses (aka FuckItAll)

Joana Lopes disse...

Vítor Dias,
Sem ironia: admiro a sua honestidade. Tinha-me parecido estranha a sua insistência em comentar o que eu não tinha escrito.

ANA VIDIGAL disse...

Inês, o diabo? ;)
beijinhos

Anónimo disse...

gosto muito deta caixa de comentários e do blog também (digo isto com sinceridade e sem ironia)

Joana Lopes disse...

Eu sei que dizes sem ironia. Estás cá ou votaste longe?

Anónimo disse...

era "desta", claro.

não votei, acho que ñ faz sentido mudar a minha residência quando moro na UE e continuo com morada fiscal em LX. Pra dizer a verdade foi um alívio não poder de votar desta vez.