Páginas

24.1.09

Bento 16 soma e segue













Quatro bispos que tinham sido excomungados há 21 anos foram agora reabilitados pelo papa. Entre eles, Richard Williamson que, ainda três dias, terá negado a existência do Holocausto judeu numa televisão sueca.

Todos tinham sido ordenados pelo reaccionaríssimo Marcel Lefebvre, ele também excomungado, líder de um grupo de bispos tradicionalistas que sempre se opôs ao espírito do concílio Vaticano II.

Se é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus, é certamente muito mais fácil ainda ter um presidente negro na América do que um papa decente em Roma.

(Fonte)

P.S. – A controvérsia num artigo do Le Monde e a reacção das comunidades judaicas no El Pais.

Eis uma bela concepção de liberdade religiosa












A conferência episcopal espanhola acaba de afirmar que «la libertad de expresión es un derecho fundamental. Todos pueden ejercerlo por medios lícitos. Pero los espacios públicos que deben ser utilizados de modo obligado por los ciudadanos no deben ser empleados para publicitar mensajes que ofenden las convicciones religiosas de muchos de ellos».

Isto é dito em Espanha, onde os bispos convocam gigantescas manifestações religiosas em espaços públicos, que certamente ofendem a ausência de convicções religiosas de muitos outros.

23.1.09

É hoje! Aproveite o serão














Será um debate «...solto, em que não haverá indizíveis e falar-se -á de uma forma "irresponsável" no melhor sentido da palavra. (...) Está na moda o politicamente correcto e não fazer ondas, dizer que é verdade e mentira, que está bem e mal. Mas não, que há verdade e mentira e o que está bem e o que está mal.»

Não perca a transmissão em directo, num blogue perto de si: Clube dos Pensadores.

A cooperativa PRAGMA – Uma bela história














Regressei às minhas memórias, neste caso a uma cooperativa fundada por católicos em 1964, que foi um pólo importante na actividade da oposição ao salazarismo. O texto é demasiado longo para este blogue, mas pode ser lido ali ao lado.

22.1.09

Julgava que o PC era contra os monopólios














No lançamento da CDU 2009, Jerónimo de Sousa terá dito (citado pelo Avante! de hoje)

«Pela coerência do seu projecto e a garantia que o seu percurso unitário e democrático testemunham, a CDU é a única força cujo reforço eleitoral e político pode pôr fim à alternância e abrir portas à construção de uma alternativa política».
(O relevo é meu).

É por outras, mas também por estas, que o PC perde toda a autoridade moral quando fala da arrogância de outros, quando se queixa de não ser convidado para tentativas, goradas ou não, de união das esquerdas, quando os resultados das sondagens fazem prever que passe para penúltimo grupo com representação parlamentar.

E os Inquéritos revelaram que...

... a distribuição etária dos leitores deste blogue é absolutamente transversal: 20% / 21% para todas as categorias, um pouco menos (17%) para os que têm mais de 60 anos. Uma óptima surpresa.

Outro excelente resultado: 41% de mulheres. Para os que dizem que andam poucas pela blogosfera, é melhor que passem a ter em conta resultados como este.

A todos os que participaram, muito obrigada.

21.1.09

Inquéritos

Hoje é o último dia em que se pode votar nos dois Inquéritos, ali à direita. Talvez outros se sigam. Logo se verá.

Professores pedem dissolução da AR!











O MUP (para quem não saiba, como eu, «Mobilização e Unidade dos Professores») «vai pedir ao Presidente da República que dissolva o Parlamento. Este repto é encarado como a única forma de derrotar as "políticas destrutivas do Governo e salvar o ensino em Portugal"». Parece que ainda hesitam por «o facto de essa eventual demissão do Governo poder (...) ainda vir a beneficiar o próprio Executivo, alcançando uma maioria absoluta em eleições antecipadas».

Há uma outra associação de professores que considera «prematura a demissão, pois ainda há um caminho a percorrer para que a imagem do PS fique mais desgastada». (Releiam.)

Eu, insuspeita de defender o PS e, ainda menos, a sua maioria absoluta, leio e pasmo! Estes senhores querem «o bem» do ensino em Portugal ou são o embrião de novos partidos políticos? O que se segue? Criação de grupos clandestinos? O regresso à luta armada?

(Fonte)


20.1.09

Cavaco no Twitter


presidencia


Presidência da República iniciou presença oficial na rede social Twitter http://tinyurl.com/8p2ks5


Não, não julguem que isto é uma madurice recente de uns tantos bloggers. Mais tarde ou mais cedo, irão lá parar.


(Absolutamente a não perder: há mais vida para além do bolo-rei.)

Quando os sinos também tocam













Para nós europeus, especialmente sensíveis a separações entre igrejas e estados, é sempre um pouco estranho ver, nos Estados Unidos, o que para nós seria invocar o nome de Deus em vão – ou, pelo menos, indevidamente.

É o que está uma vez mais a acontecer, durante a tomada de posse do novo presidente, mas com a característica especial de ter sido cuidadosamente composto um leque variado de protagonistas.

Um pastor evangélico conservador, forte opositor do casamento de homossexuais, falará um pouco antes de Obama fazer o juramento. Para o concerto inaugural de Domingo, foi escolhido um bispo da Igreja Episcopal, ex-alcoólico e gay assumido. A bênção final da cerimónia de hoje será dada por um metodista negro que estava com Luther King e o seu I have a dream, em 1963. Amanhã será uma mulher, da Igreja dos Discípulos de Deus, que falará no encerramento das cerimónias presidenciais.

Mais uma marca da unidade e da tolerância que Obama quer demonstrar. Mesmo quando nem tudo são parecenças dos dois lados do Atlântico, talvez com grande pena de alguns, tanto de um lado como do outro.

(Fonte)

19.1.09

Amanhã




Destes gosto mesmo...















Outra «corrente» em circulação. Esta chega-me através do Pedro Correia. Agradeço-lhe, retribuo e junto uns tantos – até chegar a 15, como vem no folheto.

A Natureza do Mal
A Terceira Noite
Arrastão
Blue Moleskin
Delito de Opinião
Irmão Lúcia
Jonasnuts
Jugular
Last Breath
Meditação na Pastelaria
No Baile da D. Ester
Segunda Língua
Sinusite Crónica
Womenage a trois
Água Lisa

Actualizei no blogue a minha lista dos «Inevitáveis» e cheguei a esta. Acreditem ou não, verifiquei a posteriori que cumpri, rigorosamente, um sistema de quotas: 5 blogues colectivos, 5 de «meninos» e 5 de «meninas»... Podiam ser mais, muitos mais.

P.S. - Obrigada também à Cristina Vieira, à Maria N e à Io.

18.1.09

Inquéritos

Só para lembrar que estão aqui ao lado, no campo superior direito, dois inquéritos e que o prazo acaba em breve. Bastam dois cliques e já está. Muito obrigada.

Alegre contra Cavaco?

Segundo o Sol:

«José Sócrates já manifestou a Manuel Alegre a disponibilidade para o PS o apoiar, caso se queira candidatar às presidenciais em 2011.»

Verdade ou não, há já algumas semanas que este cenário se apresentava como um dos desfechos mais prováveis para a recente tentativa das esquerdas unidas: abrindo a Alegre o caminho para Belém, Sócrates mataria quase à nascença hostilidades perigosas em arriscadas legislativas.

Si no è vero...

E se as legislativas fossem amanhã?












Um micro-post em que me regozijei por as sondagens indicarem que o PS perderá a maioria absoluta, e que o BE passará a terceira força na AR, mereceu não só um número razoável de comentários, como mails pessoais que continuam a chegar.

Aproveito para esclarecer, porque respondi directamente a quem mo perguntou: em princípio, votarei BE. Por algumas razões óbvias, e outras talvez nem tanto assim, estão fora de questão CDS, PSD ou CDU. Acrescento que detesto abster-me e me sentiria parva se votasse branco ou nulo (feitios...). Restaria portanto o dilema PS / BE – de resto a única alternativa que parece estar em questão para todos os que me interpelaram.

Correndo o risco de escandalizar alguns, neste sistema em que vivemos – o tal que, até ver, é menos mau do que todos os outros –, na hora de votar, deixo à porta utopias e, só até certo ponto, ideologias.

Julgo que nunca votei PS nas legislativas e fá-lo-ia agora menos do que nunca, antes de mais pela tal esperança de que perca a maioria absoluta. É tempo de este país amadurecer democraticamente, com os chamados partidos do poder a governarem humildemente – se não sabem, aprendam e habituem-se. Ninguém me convencerá a contribuir para o espectáculo de exibicionismo, prepotência e arrogância em que vivemos – nem em nome da eficácia, nem por causa da crise, nem pelo esplendor de Portugal.

Resta-me por isso o Bloco – por exclusão de partes. A alguém que muito estimo (e de que maneira...) e que me escreveu ontem que seria incapaz de votar em quem nunca pôs em causa estalinismos, maoismos e outros ismos, respondi que talvez tivesse isso em conta se houvesse hipótese de o Bloco vir a ser o partido mais votado. Não sendo o caso, quero contribuir para que aumente a sua representação parlamentar, aplicando, aqui e de novo, o tal princípio de que o considero menos mau do que todos os outros.

E por aqui me fico. A quem me perguntou ontem se os meus posts estavam a minguar por influência do Twitter, demonstrei agora que não – infelizmente?

Bye, Bush















«Não sei o que é uma consciência errada, mas deve ser a pior companhia para a reforma.»

O resto está no DN.