24.7.11

Nem chega a ser desobediência cívica


… mas apenas legítima defesa (quando possível…) contra um imposto injusto – na forma, no conteúdo e no timing.

Quem continua a preferir a maioria governante que pague e crise… Para os outros, conselhos úteis nos dois primeiros parágrafos que transcrevo, já que aquilo que o terceiro descreve acontecerá garantidamente.

«Os trabalhadores independentes que tenham capacidade financeira podem adiar para o próximo ano parte dos recibos verdes que tinham a receber este ano e assim diminuir o rendimento colectável de 2011.

O mesmo pode acontecer nas pequenas empresas que trabalhem muito com remunerações variáveis, como por exemplo as que têm comerciais que ganham à comissão ou por objectivos: parte dos prémios podem ser pagos só no ano seguinte e assim não entram no IRS de 2011.

Os gerentes e os sócios de empresas também podem minimizar o impacto do imposto extraordinário. Para isso, basta que aumentem os pagamentos em dividendos – que ficam isentos – e diminuam os salários-base, que são contabilizados como rendimento por trabalho dependente.»

(Fonte)
.