9.4.13

Linha da frente



«Se Clausewitz nos ensinou que a guerra deve ser a continuação da política, o ministro Schäuble, na sua declaração de ontem sobre Portugal, recordou que a política de austeridade pode ser a continuação da guerra por outros meios. (...)

Há uma guerra Norte-Sul na Europa. E o Norte está a ganhar. Fomos educados na crença de que os Estados europeus viveriam de acordo com os jogos de soma positiva, onde todos cooperam e todos ganham. Foi assim até 2009. A partir daí, sob a batuta de Merkel, os jogos na Europa passaram a ser os de soma nula. Jogos de guerra, onde as perdas de um são os ganhos de outro. (...)

O que está em causa não é derrubar uma coligação, mas reconquistar a liberdade nacional. Tudo está em aberto. Desde uma viragem federal redentora até ao desmoronamento da Zona Euro, e o doloroso regresso às derivas estratégicas e conflitos tribais europeus. O tempo é para pensar estrategicamente. Definir os fins e escolher os meios. Procurar aliados nas outras satrapias, e mesmo no centro imperial. Quando se está na frágil condição de Portugal cometer mais erros seria um crime.»

Viriato Soromenho-Marques