20.3.15

A tal lista



«Querem que acreditemos que foi um miserável quadro das finanças que se lembrou de fazer a lista VIP sem dizer nada a ninguém. Pois, aposto que também criou uma lista de gajas boas. Alguém acredita que o desgraçado fez a lista sem dizer nada ao chefe? Não me digam que um pobre quadro do Fisco estava muito preocupado com os VIP. Só se o "Fama Show" está a dar cabo deste país.

Um problema é que, entretanto, o director-geral diz que ele também não é responsável nem mandou fazer a lista, nem conhece quem tenha mandado. Estamos perante uma lista que surgiu de geração espontânea, um pouco como o Novo Banco. Maria Cavaco ainda vai dizer que a lista era o terceiro segredo de Fátima. (...)

A meu ver, esta lista VIP é um escândalo que devia fazer rolar cabeças e não a pobre cabecinha do Brigas. Ter uma lista destas é como chegar ao restaurante e ter sala privada porque sou VIP, mas somos todos clientes e donos do restaurante e somos obrigados a ir lá almoçar e jantar. (...) A lógica da lista VIP é a habitual: há cidadãos de categoria A e D. Porque o funcionário das finanças não pode aceder ao ficheiro do PM, mas pode aceder ao da ex-namorada, do vizinho que estende a roupa molhada, ou da próxima que ele quer papar.»  

João Quadros