Páginas

29.11.15

António Costa e os dilemas do PSD



«O filósofo escocês Thomas Carlyle escreveu em 1843 que: "A democracia é o desespero de não encontrar heróis que nos dirijam." As suas palavras tornaram-se hoje uma profecia a ter em conta.

Basta olharmos para a Europa para percebermos a inexistência da liderança política, especialmente numa sociedade cada vez mais técnica e globalizada. (...) A História do século XX foi marcada por personalidades fortes que tiveram acção determinante para alterar o rumo dos acontecimentos. Mas hoje encontramos cada vez mais exemplos de nulidade andante. .

Esta ideia de sociedade, onde os valores económicos espezinham todos os outros, não é boa nem para a economia de mercado. Mas foi ela que motivou a radicalização da sociedade portuguesa onde se destruiu, nestes últimos quatro anos, o fiel da balança: a classe média. Quando olhamos para este país radicalizado, entendemos melhor o que sucedeu. O PSD esqueceu-se da sua matriz social-democrata e encostou-se a um discurso à direita, que teve o condão de abrir uma caixa de Pandora que muitos acreditavam que nunca poderia acontecer: o desvio à esquerda do PS e a criação de condições para uma aliança com o PCP e o BE de apoio a um Governo de António Costa. Enxotado pela coligação durante quatro anos, o PS não quis mais ser a muleta de uma política de hegemonia cultural seguida com rigor ideológico extremo. A direita continua a alimentar esta bipolarização mas, claramente, se o novo Governo conseguir aprovar o OE de 2016 e sustentar a sua acção nos próximos seis meses, as vozes que agora se vão ouvir numa guerrilha extrema tenderão a ficar cansadas. O ambiente político e económico europeu também terá uma palavra a dizer sobre o assunto. António Costa, mestre do jogo político, sabe que esta bipolarização extremada será o seu melhor sustentáculo no difícil convívio com as sugestões do PCP e do BE.»

Fernando Sobral
. 

1 comments:

Fenix disse...

Aprecio muito o que o Fernando Sobral escreve. Mas, comparar o desvio à esquerda do PS e consequente apoio do PCP e BE, à abertura de uma caixa de Pandora, acho bastante exagerado, pois todos sabemos que a caixa de Pandora encerra todos os males do mundo...! Por mim, só encontro conotação com a caixa de Pandora no que concerne à Esperança! Pois, ainda bem que o PS se colocou mais à esquerda, porque pelo andar da carruagem ficaríamos presos nesta alternância que só beneficiaria a abstenção.