Páginas

31.12.16

Bom ano



… a quem passar por aqui. 
Peguemos em 2017 com pinças…
.

Há 48 anos «comemorámos» assim, hoje festejamos, amanhã não sabemos



Francisco Fanhais cantou pela primeira vez a Cantata da Paz, com letra de Sophia Mello Breyner, numa vigília contra a guerra colonial.

Ler AQUI.
.

A ascensão da nova ignorância



José Pacheco Pereira no Público de hoje:

«Entre os temas tabu dos nossos dias está a ignorância. Parece que falar da ignorância coloca logo quem o faz numa situação de arrogância intelectual, o que inibe muita gente de a nomear. Mas não há muita razão para se enfiar essa carapuça, tanto mais que o problema é enorme e está a agravar-se e a assumir novas formas, socialmente agressivas. Acompanha outro tipo de fenómenos como o populismo, a chamada “pós-verdade”, a circulação indiferenciada de notícias falsas, e, o que é mais grave, a indiferença sobre a sua verificação. Não explica, nem é a causa de nenhum destes fenómenos, mas é sua parente próxima e faz parte da mesma família. É, repetindo uma fórmula que já usei, como se de repente se deixasse de ir ao médico, e se passasse a ir ao curandeiro. (…)

A ignorância pode ser descrita como a pobreza, cujos efeitos e condições de superação são exactamente do mesmo tipo. A ignorância é uma forma de pobreza e o seu crescimento acentua a pobreza em geral e, mais do que a pobreza, a exclusão e a diferenciação social. É até um dos mecanismos mais eficazes para aumentar a distância entre pobres e ricos, e para estabilizar um statu quo nos pobres, que, como a droga, tem efeitos de satisfação instantânea, de paraíso artificial, ou, se se quiser de “ópio do povo”.

Faço uma distinção entre aquilo a que chamo “a antiga ignorância” e “a nova”. A antiga tem muito que ver com a baixa qualificação profissional, com a insuficiente escolaridade, com a má qualidade de muitas escolas, sem meios, sem professores preparados, com o analfabetismo funcional. (…) O facto de haver um modismo tecnológico e se confundir a utilização de gadgets, aliás bastante rudimentar, com um novo saber, que implica novas competências, esconde essa regra básica de que as literacias para os usar vêm do sistema escolar a montante e a possibilidade de os usar para uma melhoria social só existe a jusante se acompanhar uma evolução social que não se está a verificar. Mais do que uma evolução, há uma involução.(…)

Nada é mais significativo e deprimente do que ver numa entrada de uma escola, ou num restaurante popular, ou na rua, pessoas que estão juntas, mas que quase não se falam, e estão atentas ao telemóvel, mandando mensagens, enviando fotografias, vendo a sua página de Facebook, centenas de vezes por dia. Que vida pode sobrar?

Ainda há-de alguém convencer-me que este comportamento lá por usar tecnologias modernas representa uma vantagem e não uma patologia. Faz parte de sociedades em que deixou de haver silêncio, tempo para pensar, curiosidade de olhar para fora, gosto por actividades lentas como ler, ou ver com olhos de ver. (…) Um dos maiores riscos para o mundo é ter um presidente dos EUA que governa pelo Twitter como um adolescente, com mensagens curtas, sem argumentação, que, para terem efeito, têm de ser excessivas e taxativas.(…)

A crise das mediações profissionais — que retirou aos jornalistas e aos profissionais da comunicação o papel de transformarem qualitativamente os eventos em notícias, muito, aliás, por culpa própria desde a treta do “jornalismo dos cidadãos” até à divulgação não mediada de tweets e comentários — acompanha um dos aspectos mais agressivos desta nova ignorância: o ataque ao saber, ao conhecimento certificado, em nome de um igualitarismo da ignorância.»
.

30.12.16

2016


.

Dica (468)



Greece’s Perpetual Crisis. (Yanis Varoufakis) 

«The problem with Greece is that everyone is lying. The European Commission and the European Central Bank are lying when they claim that the Greek “program” can work as long as Greece’s government does as it is told. Germany is lying when it insists that Greece can recover without substantial debt relief through more austerity and structural reforms. The current Syriza government is lying when it insists that it has never consented to impossible fiscal targets. And, last but not least, the IMF is lying when its functionaries pretend that they are not responsible for imposing those targets on Greece.»
.

«Street food» - Um café e um pastel de nata



Nada a criticar, é a vida e contra factos cada vez há menos argumentos. Mas não deixo de sorrir ao imaginar o que pensaria Sophia, que morava ali mesmo ao lado, desta imagem e desta nova «Brasileira»…


Expresso, caderno de Economia, 30.12.2016.
.

A China e os nossos iPhones




Interessante e esclarecedor. 

«About half of all iPhones now are made in a huge manufacturing facility in the central Chinese city of Zhengzhou. This is the story of how an iPhone made there can end up in your hands. (…)

Foxconn’s facilities in Zhengzhou cover 2.2 square miles and can employ up to 350,000 workers, many of whom earn about $1.90 an hour.» 
.

Entrevista com Deus - balanço de 2016



«Jornal de Negócios: Para fazer o habitual balanço do ano, que agora termina, temos connosco Deus. Olá, Deus. Como criador do universo, o que tem a dizer sobre o ano de 2016?
Deus: Se calhar, ainda é cedo para fazer balanços. Ainda faltam mais de 24 horas para acabar 2016, e ainda há tempo para levar mais uns quantos e causar mais uns estragos.

JN: Isso não é bom...
Deus: Pois não. 2016 é das minhas piores criações de sempre. Até me custa assinar esta obra. Correu tão mal que, por mim, desisto de fazer o próximo ano. Vou largar isto, de ser responsável pelo destino dos homens, e vou abrir uma loja no Chiado. Vai ser um pequeno paraíso no inferno que é a baixa de Lisboa.

JN: Mas... se Deus abandona o seu posto, quem é que fica responsável pelo universo?
Deus: Estava a pensar no Doutor António Costa.

JN: No nosso PM?!
Deus: Exactamente. A única coisa que correu bem este ano foi aquilo a que chamaram a Geringonça. Juntar PCP, BE e PS numa coligação é o equivalente ao big bang, e o homem deu conta daquilo. Além do mais, ele tem uma característica essencial para este trabalho: evitar que o Diabo apareça. (…)

JN: Hum..., desculpe a pergunta, mas se Deus pode fazer com que Portugal vença o Euro, porque não usou esse poder para evitar, por exemplo, a vitória de Trump? (…)
Deus: Sabe que Deus escreve direito por linhas tortas. Mas tem de ser daqueles cadernos pautados, senão perco-me. Vou ser sincero. Nunca me passou pela cabeça que ele ganhasse. Eu guio-me muito pelas sondagens.

JN: Eu pensava que Deus era menos de sondagens e mais de "fia-te na Virgem".
Deus: Também é preciso ter em conta que, quando eu criei o Trump, foi só porque queria experimentar o que se obtinha se misturasse um ser humano com uma delícia do mar. Quem diria que aquilo ia chegar a presidente dos EUA?! Eu já devia ter aprendido quando fiz a Margaret Thatcher e misturei uma costela de Adão com a parte de trás de um esquentador.»

João Quadros

29.12.16

Espanha e o seu «paraíso laboral»




«Según los últimos datos del Servicio Público de Empleo Estatal (Sepe), en noviembre se firmaron 1,74 millones de nuevos contratos, de los que sólo 154.854 tenían una duración indefinida, lo que significa que los 1.588.854 restantes eran temporales (el 91% del total).

Dentro de los temporales, es muy significativo el peso que tienen concretamente los contratos de no más de siete días (26% del total), lo que contrasta con los 257.214 de noviembre de 2007 (el 16% del total) y supone que estos contratos de muy corta duración ganaron importancia durante la crisis.» 
,

Dica (467)




«With three consequential European elections occurring in 2017, the former K.G.B. officer has more potential to undermine free societies than he could have ever fathomed during his Cold War days.»
.

2017 segundo os sábios escolhidos pela Sábado


Foram excluídos: mulheres, não arianos, deficientes e outros mais. Ficam seis homens, cuja média de idades é 78 anos (fiz as contas), e alinhados politicamente, mais coisa, menos coisa. É a Sábado, eu sei, mas ainda sim… 
.

2017 é um mito urbano



Ricardo Araújo Pereira na Visão de hoje:

«No início do século XX, as pessoas pensavam que as coisas dos filmes eram tão reais como as da vida; no início do século XXI, pensam que as coisas da vida são a fingir, como nos filmes. (…)

Que Trump e Putin presidam aos EUA e à Rússia é tão plausível como a carta do príncipe da Nigéria que precisa da nossa ajuda para uma operação financeira que nos vai render milhões. Há uma sensação de fim do mundo que, sinceramente, me deixa um pouco desiludido. Pensei que fosse melhor. Esperava uma onda de libertinagem bastante intensa que, afinal, não se verifica. Se é para esta pasmaceira, não vale a pena o mundo acabar.»

Na íntegra AQUI
,

O que nos reserva 2017? Uns cisnes negros?



«Fazem-se as últimas contas sobre 2016. E todos sabem que 2017 está cheio de incógnitas. Diversas eleições europeias, a começar pelas alemãs, dão o mote às dúvidas.

No "Daily Telegraph", Matthew Lynn avança com cinco cisnes negros para o próximo ano, de uma possível guerra comercial entre a Alemanha e os EUA ao colapso tecnológico da China. E escreve: "Um banco italiano terá de ser resgatado. O presidente Donald Trump escreverá um tweet estúpido a meio da noite. A UE multará o Facebook/Apple/Amazon com umas quantas centenas de milhões de euros por invadirem a privacidade/fugir aos impostos/criarem um monopólio do mercado (apaguem o que acharem apropriado)." Pergunta, "onde estarão os cisnes negros?"

No "Politico/Europe", Florian Eder vira-se para o futuro próximo da UE: "Pouco mais de duas semanas após o início do novo ano os deputados europeus escolherão o seu novo presidente que sairá, quase de certeza, de três candidatos centristas: no centro-direita, Antonio Tajani do Partido popular Europeu; no centro-esquerda, Gianni Pittella dos Socialistas e Democratas; e o líder dos liberais, Guy Verhofstadt, para surpresa de toda a Bruxelas, ainda não disse se é candidato ou não. Pela primeira vez em muito tempo é uma corrida aberta - e complicada. Nenhum dos três pode vencer sem que um dos outros se retire. Nenhum dos três pode alcançar o emprego se os outros dois juntarem forças, excepto se permitirem à extrema-direita ter uma palavra a dizer, e historicamente os principais partidos nunca desejaram fazer isso, vendo isso como prejudicial para o projecto europeu." E acrescenta: "Este é o jogo político das galinhas e a questão é: quem será o primeiro a ficar danificado?". Na "Prospect", Chris Bickerton fala de uma "Europa em revolta". E diz: "Em toda a Europa os partidos principais lutam para liderar a confiança e fé dos votantes." Os europeus estão zangados, é o que é.»

28.12.16

Resposta realista


,

Dica (466)



The age of humanism is ending. (Achille Mbembe) 

«In a world set on objectifying everybody and every living thing in the name of profit, the erasure of the political by capital is the real threat. The transformation of the political into business raises the risk of the elimination of the very possibility of politics.

Whether civilisation can give rise at all to any form of political life is the problem of the 21st century.» 
.

Instruções para subir uma escada


Um conto de Julio Cortázar.

«Nadie habrá dejado de observar que con frecuencia el suelo se pliega de manera tal que una parte sube en ángulo recto con el plano del suelo, y luego la parte siguiente se coloca paralela a este plano, para dar paso a una nueva perpendicular, conducta que se repite en espiral o en línea quebrada hasta alturas sumamente variables. Agachándose y poniendo la mano izquierda en una de las partes verticales, y la derecha en la horizontal correspondiente, se está en posesión momentánea de un peldaño o escalón. Cada uno de estos peldaños, formados como se ve por dos elementos, se sitúa un tanto más arriba y adelante que el anterior, principio que da sentido a la escalera, ya que cualquiera otra combinación producirá formas quizá más bellas o pintorescas, pero incapaces de trasladar de una planta baja a un primer piso.

Las escaleras se suben de frente, pues hacia atrás o de costado resultan particularmente incómodas. La actitud natural consiste en mantenerse de pie, los brazos colgando sin esfuerzo, la cabeza erguida aunque no tanto que los ojos dejen de ver los peldaños inmediatamente superiores al que se pisa, y respirando lenta y regularmente. Para subir una escalera se comienza por levantar esa parte del cuerpo situada a la derecha abajo, envuelta casi siempre en cuero o gamuza, y que salvo excepciones cabe exactamente en el escalón. Puesta en el primer peldaño dicha parte, que para abreviar llamaremos pie, se recoge la parte equivalente de la izquierda (también llamada pie, pero que no ha de confundirse con el pie antes citado), y llevándola a la altura del pie, se le hace seguir hasta colocarla en el segundo peldaño, con lo cual en éste descansará el pie, y en el primero descansará el pie. (Los primeros peldaños son siempre los más difíciles, hasta adquirir la coordinación necesaria. La coincidencia de nombre entre el pie y el pie hace difícil la explicación. Cuídese especialmente de no levantar al mismo tiempo el pie y el pie).

Llegado en esta forma al segundo peldaño, basta repetir alternadamente los movimientos hasta encontrarse con el final de la escalera. Se sale de ella fácilmente, con un ligero golpe de talón que la fija en su sitio, del que no se moverá hasta el momento del descenso.»
.......

Guterres vai ter uns anos «divertidos» na ONU

Democratização social como única saída



Vale a pena ler na íntegra este texto de Juan Laborda, publicado por ATTAC Espanha: 

«O neoliberalismo começa a agonizar e só há uma solução justa: a democratização social. A alternativa é o fascismo ou, como alguns dizem em termos politicamente mais corretos, o autoritarismo da oligarquia. A democratização social, parafraseando Frank Delano Roosevelt, passa inexoravelmente por lutar contra os velhos inimigos da paz: os monopólios empresarias e financeiros, a especulação, a banca insensível, os antagonismos de classe, o sectarismo e os interesses bélicos. Todos eles consideram o governo como um mero apêndice dos seus próprios negócios. E já sabemos bem que um governo do dinheiro organizado é tão perigoso como um governo da máfia organizada. A democratização social requer que se inicie uma batalha contra o egoísmo e o desejo de poder. (…)

A globalização baseada no mantra do livre comércio é incompatível com o respeito pelo meio ambiente, pelos direitos sociais e pela democracia. (…)

Mas a reacção está em curso, uma insurreição cada vez mais generalizada contra a globalização predatória. É necessário pôr fim a governos do dinheiro organizado, exigir proteção contra os poderosos, perante um mercado ineficiente, perante uma globalização neoliberal que fracassou. O problema é como o fazer. Só resta uma opção justo, uma solução democrática onde as maiorias sociais recuperem os direitos perdidos, onde as desigualdades diminuam drasticamente, onde os jovens tenham futuro e não se vejam forçados a uma luta intergeracional, e onde a superclasse deixe de pôr as mãos sujas na nossa democracia, abandonando as posições, que tem, em meios de comunicação cada vez mais concentrados e bajuladores do poder. A alternativa? O fascismo.» 
.

27.12.16

Dica (465)



World War Three, by Mistake. (Eric Schlosser) 

«Harsh political rhetoric, combined with the vulnerability of the nuclear command-and-control system, has made the risk of global catastrophe greater than ever.» 
.

O «Público» e a sua misoginia



O jornal que não tem cronistas do sexo feminino mostra-nos hoje 2017 através de 10 homens – todos brancos, obviamente (e também mais ou menos pitosgas, já que apenas um não usa óculos). Um friso cinzento que reflecte uma realidade lamentável, para a qual só há uma palavra adequada: misoginia.

Shame on you, Público, shame on us! 
.

27.12.1943 – Joan Manuel Serrat



Joan Manuel Serrat nasceu em 27 de Dezembro de 1943, no bairro Poble Sec de Barcelona, numa família de operários. 

Começou por cantar em catalão, passou depois para castelhano no fim da década de 60, o que provocou fortes acusações de traição por parte dos seus conterrâneos. Mas em 1968, selecionado para representar a Espanha no Festival Eurovisão da Canção, disse que só o faria se cantasse em catalão, proposta que não foi aceite e que esteve na origem da proibição, pelo governo, que actuasse na televisão e que as suas canções fossem transmitidas na rádio.

Os anos forma passando e, no Natal de 2014, estoirou de novo a polémica por ter recorrido de novo ao catalão, na TVE, poucos minutos depois do discurso do rei.

Apesar da idade, soma e segue: em Novembro de 2015 terminou uma tournée em que deu mais de 100 concertos na América Latina, Estados Unidos e Europa. E continuou em 2016…

Duas clássicas e uma recente:






.

Salário mínimo e TSU



Escreve Mariana Mortágua e com toda a razão:

«Diz quem defende a decisão do Governo de subsidiar o aumento do salário mínimo pago pelas empresas que estas devem ser ajudadas, e por isso o Estado usará 60 milhões de dinheiro público para compensar a descida da TSU. Não está aqui em causa a pertinência de medidas de apoio ao setor empresarial, mas esta é uma política errada.
O subsídio ao salário mínimo pode tornar-se num incentivo ao salário mínimo, e isso é o que queremos combater. O desejável, numa economia em que os baixos salários são uma fraqueza e não uma vantagem, é que o aumento do mínimo provoque um efeito de arrastamento em todos os salários mais baixos. Por outro lado, o pagamento de uma remuneração digna é o dever de qualquer empresa. Os gigantes donos do Pingo Doce ou do Continente serão provavelmente os maiores beneficiários desta medida, muito mais por falta de vergonha que por necessidade.»

De que será feita a incerteza política em 2017?



«À medida que 2016 chega ao fim, uma sensação de inquietação está a afectar muitos comentadores que olham para o futuro. Este ano trouxe vitórias para o Brexit e para Donald Trump. O resultado de ambas as votações foi largamente inesperado. O que nos trará 2017? A União Europeia enfrenta, três ou mesmo quatro, eleições nos seus maiores estados-membros. A Holanda, França, Alemanha, e possivelmente também a Itália, irão a votos. Os resultados de todas estas eleições estão longe de serem certos, por esta altura. Na verdade, parece que se tornou difícil prever o comportamento dos eleitores.

A investigação económica e sociológica aponta para um conjunto de diferentes factores que estão a provocar estas surpresas eleitorais. O debate é, de forma ampla, sobre se são os temas económicos tais como a desigualdade de rendimento, se são os temas culturais como a rejeição de direitos iguais para as mulheres, minorias e gays, ou se são os factores relacionados com a percepção dos cidadãos de que perderam controlo sobre o seu destino, que estão a levar as pessoas a apoiarem candidatos e causas populistas. (…)

Vendo a questão pelo lado económico, os europeus não deviam estar demasiado preocupados com as eleições do próximo ano. Afinal de contas, os países da Europa continental têm os maiores estados sociais do mundo com níveis de desigualdade comparativamente baixos. (…) Mas se pusermos mais ênfase nos aspectos culturais, e em particular na sensação de se estar a perder o controlo, então o resultado das eleições na Europa parece menos seguro. (…)

Em 2017, os eleitores darão o seu veredicto sobre o que tiverem sido as políticas dos líderes nacionais e europeus. Mas estas batalhas eleitorais irão bem para lá da imigração e da desigualdade. Os factores culturais parecem ser mais centrais do que muitos economistas gostariam de aceitar. E é nesta arena que os cidadãos e os peritos terão de se empenhar, caso queiram segurar a democracia liberal.»

M. Luís Albuquerque – O défice certo



-

26.12.16

As escolhas do presidente



No site da Presidência da República, o presidente lamentou hoje a morte de George Michael.

Ontem, um avião militar russo caiu no Mar Negro e, entre as 92 pessoas a bordo, figuravam cerca de sessenta membros do Coro do Exército Vermelho, que iam celebrar o Ano Novo com as tropas russas na Síria.
Nada consta no site da Presidência da República. 
.

Roménia, 26.12.1989



No dia 26 de Dezembro de 1989, as televisões mostraram ao mundo o julgamento de Nicolae Ceauşescu e da mulher, fuzilados na véspera, depois de um tribunal militar os ter acusado de uma série de crimes, incluindo o genocídio de mais de 60 mil cidadãos.

Nunca cheguei a perceber se a RTP mostrou aos portugueses o filme do processo logo no dia 26, em directo a partir da Roménia, mas eu vivia então na Bélgica e fiquei colada ao ecrã que me trouxe a transmissão feita pela televisão Antenne 2 francesa. Estava-se muito longe do hábito de assistir a este tipo de acontecimentos televisivos, que constituiu um verdadeiro choque, sem grandes possibilidades de recuo crítico imediato. Aqui está ele:



Mas as polémicas e as dúvidas sobre todo o desenrolar dos acontecimentos, e, sobretudo, sobre os métodos utilizados nos mesmos, depressa surgiram e mantêm-se até hoje. Vale a pena ouvir isto:


.

Dica (464)



How Republics End. (Paul Krugman) 

«One thing all of this makes clear is that the sickness of American politics didn’t begin with Donald Trump, any more than the sickness of the Roman Republic began with Caesar. The erosion of democratic foundations has been underway for decades, and there’s no guarantee that we will ever be able to recover.
But if there is any hope of redemption, it will have to begin with a clear recognition of how bad things are. American democracy is very much on the edge.» 
.

Homenagem

Geringonçando



«A máquina está suficientemente bem oleada para que pouco mais oiçamos, em público, do que um ou outro arrufo sem grande significado. (…)

Hoje colamos nomes e rostos a esse esforço contínuo de concertação de posições políticas. Não é algo a que a política portuguesa estivesse habituada, pelo menos não nesta escala e entre partidos com posições tão afastadas em áreas-chave como a Europa ou a política de defesa, mas o diabo é que a coisa está a funcionar.

Já lá vão dois Orçamentos aprovados sem grande sobressalto, mais de um ano de governação sem qualquer ameaça séria à sobrevivência política do governo, mas há uma sombra que subsiste. É a mesma para o país e para a geringonça e, em boa verdade, pouco ou nada depende da vontade de socialistas, bloquistas, comunistas ou verdes. Continuamos descontraidamente estendidos, de pés esticados sobre uma mesa, em cima da bomba-relógio da dívida.

Por muitas voltas que Costa e Centeno deem, por muito lustro que consigam puxar ao défice público, o facto é que o ratio da dívida em relação ao PIB tem aumentado. É uma espécie de bola de ferro, pesadíssima, amarrada às pernas. Às do governo e às nossas. O serviço da dívida há de continuar a condicionar o crescimento da economia e a criação de emprego, o investimento e a confiança dos mercados. Teremos sempre o santo Draghi em quem confiar, mas nem um BCE hiperativo pode garantir, para lá de qualquer dúvida, uma travessia tranquila de 2017.»

Paulo Tavares

24.12.16

Bom Natal



Seja o que for que isso signifique para quem passar por aqui.
.

A doutrina Trump-Putin



Pacheco Pereira no Público de hoje:

«Está-se a definir, embora ainda de forma muito embrionária e imprecisa, uma doutrina Trump-Putin, sem precedente na geopolítica depois da Segunda Guerra Mundial. (…)

Trump, mesmo que seja difícil encontrar uma linha coerente na sua actuação, tem nesta matéria mantido uma constância de posições que podem variar no alcance e na urgência, mas que marcam uma ruptura com toda a política externa americana desde a Guerra Fria e mesmo no pós-Guerra Fria. Estas posições são alicerçadas nas opiniões pessoais de Trump, e na migração para o campo de Estado e da política, nacional e internacional, da única experiência que ele tem, a dos negócios e das empresas. (…)

De que é que Trump está convencido? De que a política externa americana face à Rússia tem sido desnecessariamente hostil, e que deve haver uma inversão significativa dessa hostilidade. De que os EUA arcam sob os seus ombros os custos de proteger múltiplas nações e áreas do mundo que bem podiam cuidar da sua defesa, mesmo que isso implique adquirir uma capacidade nuclear. De que a NATO é uma organização caduca e, no limite, desnecessária. De que as sucessivas intervenções americanas e europeias no Iraque, na Líbia, na Síria foram monumentais desastres, pouco preparados e pensados, sem medir as consequências, eliminando personagens como Khadafi, ou Saddam, e tentando eliminar Assad, que, mesmo que sejam bad boys, garantiam e garantem uma estabilidade regional cuja perturbação deu origem ao ISIS e ao caos no Iraque, na Líbia e na Síria. De que o único verdadeiro inimigo dos EUA nos dias de hoje é o ISIS, e, em menor grau, o Irão e a China, enquanto a Coreia do Norte devia ser posta na ordem pela China, com os EUA a fazer enormes pressões para que isso aconteça. Há alguns subprodutos destas “opiniões” e algumas contradições, como, por exemplo, a posição face a Cuba, mas é o que Trump pensa, e o que ele pensa é o que vai tentar fazer. (…)

Na prática, o que Trump fez, com aquela mistura de genuinidade, inexperiência e ignorância, a que se soma alguma intuição, foi interiorizar como suas todas as reservas e críticas russas à política americana da Administração Obama e do Departamento de Estado Clinton, e, ao fazê-lo, num contexto de clara vontade de aproximação a Putin, muda de facto a visão do mundo.

Para os russos, e para Putin, é uma oportunidade de ouro na sua política externa mais agressiva, que já tinha tido resultados na Ucrânia e na Crimeia, e no passado na Geórgia e na Tchetchénia, embora neste último caso dentro do território da Federação Russa. Os objectivos geopolíticos russos não são novos, em bom rigor datam do império czarista, foram adaptados pelos bolcheviques, em particular por Staline, e sofreram consideráveis recuos com o fim da URSS, e a aparição de um mundo unipolar. (…)

Putin tem uma política externa, Trump não tem, nem quer ter, e quando a tiver será pactuada com Putin.

As vítimas desta doutrina Trump-Putin, se se materializar como tudo indica, são os aliados dos EUA, a começar pelos europeus que fazem parte da NATO, mas também os asiáticos e árabes. (…)

Trump tem todos os defeitos que já apontámos e aparece agora a brincar com as armas nucleares no Twitter, a doença infantil dos homens maduros, mas sabe o que quer e, acima de tudo, o que não quer. Mesmo que não faça um décimo do que ameaça fazer, basta isso para consolidar um ponto sem retorno da política mundial, e se há homem que é capaz de explorar isso, é Putin. Num certo sentido são parecidos: Putin retratado como macho russo a andar a cavalo, em cima do gelo, a mergulhar, a caçar ursos; Trump apanhando-as pela “pussy”, vivendo entre ornatos de falso ouro, e aquelas cadeiras e móveis que a gente jurava que ninguém comprava, mas compra. Só que há uma enorme diferença, Trump é habilidoso e esperto, Putin é inteligente e frio. E Putin tem um mapa por detrás, com muita história dentro.»
.

Quem não o compreende?


.

23.12.16

Dica (463)




«Terror attacks bring people together. That, at least, is what used to happen. But the attack in Berlin has followed a different script, with the gap between those content to wait for the facts and those eager to score political points now wider than ever before. A look back at 48 hours that changed the country.» 
.

Dia de era bom



Dia de Natal


Hoje é dia de ser bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.

É dia de pensar nos outros - coitadinhos - nos que padecem,
de lhes darmos coragem para poderem continuar a aceitar a sua miséria,
de perdoar aos nossos inimigos, mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência, tão efémera e tão séria.

Comove tanta fraternidade universal.
É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
numa toada doce,
de violas e banjos,
entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes, a voz do locutor
anuncia o melhor dos detergentes.

De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa Excelência verificou a hora exacta em que o Menino Jesus nasceu?
Não seja estúpido! Compre imediatamente um relógio de pulso antimagnético.
Torna-se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente se acotovela, se multiplica em gestos, esfuziante.
Todos participam nas alegrias dos outros como se fossem suas
e fazem adeuses enluvados aos bons amigos que passam mais distante.
Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,
com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilovates,
as belas coisas inúteis de plástico, de metal, de vidro e de cerâmica.

Os olhos acorrem, num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
É como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós e nos cobrisse de bênçãos e favores.
A Oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha~se uma roupagem diáfana a desembrulhar-se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra - louvado seja o Senhor! - o que nunca tinha pensado comprar.

Mas a maior felicidade é a da gente pequena.
Naquela véspera santa
a sua comoção é tanta, tanta, tanta,
que nem dorme serena.

Cada menino
abre um olhinho
na noite incerta
para ver se a aurora
já está desperta.
De manhãzinha
salta da cama,
corre à cozinha
mesmo em pijama.

Ah!!!!!!!!!!

Na branda macieza
da matutina luz
aguarda~o a surpresa
do Menino Jesus.

Jesus,
doce Jesus,
o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho
do Pedrinho
uma metralhadora.

Que alegria
reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho, estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas
a caírem no chão como se fossem mortas:
tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá.

Já está!
E fazia-as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá
fingiam
que caíam
crivados de balas.

Dia de Confraternização Universal,
dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.
É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas.


António Gedeão
.

Perus versus TSU



Dantes, vendiam-se perus no Largo do Rato. Agora, o que está a dar é TSU. 
.

TSU, TSU


Já disse no Facebook, repito aqui:

Quem desceu a TSU não foi a Geringonça, foi o governo que é só do PS; 
Quem desceu a TSU não foi a Geringonça, foi o governo que é só do PS; 
Quem desceu a TSU não foi a Geringonça, foi o governo que é só do PS; 
Quem desceu a TSU não foi a Geringonça, foi o governo que é só do PS.

Bloco vai submeter descida da TSU a debate no Parlamento.

PCP vai tentar travar descida da TSU para patrões no Parlamento.

Engorda de Natal



«Apesar de ser só um fim-de-semana, é muito provável que consigamos voltar das "férias" de Natal mais gordos do que depois das férias de Verão.

É impressionante a capacidade que um ser humano tem para atafulhar criaturas no estômago durante a ceia de natal. O que pomos em cima da mesa da consoada, num dia normal, dava para alimentar Elvas. E Elvas ainda levava um "tupperware", com restos para dar a Badajoz. (…)

Já imaginaram o que seria se a consoada se o bacalhau fosse como frango? Se em minha casa já há discussão por causa da posta alta e posta baixa, o que seria se o bacalhau viesse só com duas pernas?! Havia feridos. E lá ficavam os miúdos com as asas do bacalhau. (…)

No meu Natal também costuma haver canja de peru com massa de letras. É um clássico. Dá trabalho mas, com a colher, consigo mandar alguns dos meus familiares para sítios porreiros sem eles darem por isso. (…)

Eu detesto peru. O peru é uma coisa que comemos mais por causa do tamanho do que pelo sabor. É só porque é um bicho que matava um frango com uma patada e, nos outros dias, comemos frango. Porque a carne do peru, propriamente dita, sabe a beliche. Por isso é que lhe metem coisas lá dentro. Ou seja, mais uma vez, acrescentam comida à comida. Não chega comer uma ave do tamanho, e peso, dos dois netos mais novos, ainda lhe enfiam castanhas e patês, onde antes estavam coisas que faziam falta ao peru para fazer uma vida normal.

Se o peru soubesse que, depois de morto, vai para a mesa com coisas que ele nunca comeu enfiadas no rabo, andava atrás de pavões enquanto era vivo. Que se lixe a fama se é para acabar assim.

Feliz Natal para todos e ficamos à espera dos prometidos Três Reis Magos.»

22.12.16

Boas Festas 2.0


.

Dica (462)




«The changes are not just affecting manual labor: Computers are rapidly learning to do some white-collar and service-sector work, too. Existing technology could automate 45 percent of activities people are paid to do.» 
.

Donald Trump e o «Costa do Castelo»



Ricardo Araújo Pereira na Visão de hoje: 

«Ao longo dos últimos meses, vários analistas políticos tentaram descobrir a razão que pudesse justificar que Trump tivesse sido eleito. (…)

Até que, esta semana, Donald Tump chamou a uma manobra militar chinesa um acto “sem presidentes”, e revelou que é, afinal, uma personagem de um filme português dos anos 40. Trump é, sem tirar nem pôr, “O Pai Tirano” – até porque é pai e tudo indica que vá ser tirano.(…) Quando, durante a campanha, ele disse que adorava os eleitores com menos habilitações não estava a ser paternalista – estava a revelar auto-estima.»

Na íntegra AQUI
.

Onde está o Darth Vader?



«O infantil e decepcionante "Star Wars", de título "Rogue One", diz-nos muito sobre a política dos dias de hoje: quando falta um misterioso e sinistro Darth Vader o pânico instala-se. E ele nunca costuma ser um bom conselheiro.

As chamadas redes sociais, que se costumam guiar pela lógica dos rebanhos de ovelhas, apressaram-se a comparar o assassinato do embaixador russo na Turquia ao do arquiduque Franz Ferdinand, que foi a justificação para a I Guerra Mundial. (…)

Vivemos tempos de fúrias intempestivas. E, no entanto, tudo está ligado. A "fobia russa", exacerbada pela escolha de Rex Tillerson para Secretário de Estado de Trump, garante votos. Para os amigos dos Clinton a escolha de Tillerson é uma afronta: recebeu a Ordem da Amizade de Putin. (…)

A aproximação entre Rússia e Turquia poderia ser afectada pela morte do embaixador russo. Mas não o será. Apenas colocará Erdogan mais próximo da nova "rota da seda" chinesa, das alianças económicas na Ásia Central e da estratégia russa (e iraniana) para a Síria. E mais longe da UE e da NATO. A história recorda-nos isso: no início do século XX o assassinato de embaixadores sediados no Império Otomano era um hábito, geralmente com o conluio da polícia e exército multi-étnico otomano. O terror está a mudar as alianças e as nossas democracias. Resta agora olhar para lá da cortina de pânico para ver onde está o verdadeiro Darth Vader.»

Síria: para além de tudo o que se pudesse imaginar ver

21.12.16

E pachorra para isto?

Mariana Mortágua, «Figura do Ano na Economia»



«Mariana Mortágua foi eleita Figura do Ano na Economia pela redação do Observador. A deputada do Bloco representa a influência económica do BE e a viragem do PS à esquerda.»

Vale muito a pena ler esta entrevista
.

Bloco e PCP: convergência




Isto é que me mantém a esperança de que este país se vá tornando um país decente. O resto é espuma dos dias. 
.

A impotência é o contrário da democracia



«Podemos gostar do Natal por razões materiais, porque há ceia e férias e festa e presentes e decorações nas ruas, mas a principal razão por que gostamos do Natal é porque quando ouvimos “Paz na terra aos homens de boa vontade” queremos participar dessa festa. (…)

Mas, se gostamos de nos sentir bem a propósito de nós próprios, se tentamos de alguma forma fazer o bem e ajudar o próximo, se gostamos do Natal porque tem um perfume disso mesmo, como é que suportámos todos estes anos o massacre da cidade de Alepo, com os seus cem mil mortos, entre os quais muitos milhares de civis, entre os quais muitos milhares de crianças? Como é que suportámos isto, apenas com um ou outro tweet a servir-nos de compensação, com uma ou outra assinatura numa petição, às vezes com uma participação numa manifestação raquítica a pedir justiça e paz para aquelas pessoas encurraladas numa guerra que não escolheram?

A resposta é a mesma que todos nos dão quando perguntamos o que podemos fazer para ajudar Alepo, para ajudar todas aquelas crianças de caras inexpressivas que já nem choram (o que poderá ser pior que uma criança que já se habituou a sofrer?). O que podemos fazer por todos os outros Alepos, além dos tweets e das petições e das manifestações? Nada. Tudo à nossa volta nos ajuda a celebrar o Natal mas nada nos ajuda a salvar as crianças de Alepo.

A triste verdade é que as democracias de baixa intensidade em que vivemos não possuem mecanismos que nos permitam a nós, ao povo soberano, exigir uma acção determinada mesmo quando se trata de urgências humanitárias. Pedem-nos que esperemos e confiemos nos poderes, mesmo quando estes estão ausentes ou são cúmplices dos crimes. O poder soberano que detemos não possui qualquer canal através do qual se possa exercer para salvar Alepos. Essa impotência que sentimos é o contrário da democracia. Essa impotência diz-nos que nenhum poder efectivo reside no povo. Uma das grandes tarefas à nossa frente é impedir que a democracia se transforme para sempre no regime da impotência dos homens e das mulheres de boa vontade.»

20.12.16

Reminder


.

«Arriba Franco, más alto que Carrero Blanco!»



«Arriba Franco, más alto que Carrero Blanco!» – dizia-se em Espanha, em 20 de Dezembro de 1973.

Mais tarde, em Setembro de 1975, quando se deu em Lisboa a ataque à Embaixada de Espanha, foi em português que a frase foi gritada.



Os nosso vizinhos nunca brincaram em serviço.
.

Dica (461)




«Com uma ordem estabelecida que se recusa a tirar qualquer lição das suas derrotas de 2016, o nosso sistema está muito mais em risco de ser demolido pelos populistas a partir de fora do que de ser reformado por dentro.»
.

O directório de uma só potência



No Público de hoje, pode ler-se um longo artigo de Carlos Carvalhas sobre a dívida, o euro e questões afins. Concorde-se ou não, merece leitura atenta. (*)

«Quando António Costa diz que antes das eleições na Alemanha não se pode negociar a dívida, está a dizer e a reconhecer implicitamente que, no essencial, quem decide na União Europeia é a Alemanha.

António Costa podia ter evocado as eleições em França, ou na Holanda, que até antecedem as alemãs, mas não o fez.

É o reconhecimento de que a União Europeia só formalmente é uma união de iguais. Curiosamente, esta sua afirmação não suscitou estranheza democrática entre a generalidade da “beatitude europeísta”. É a aceitação tácita do “directório de uma só potência” como normal! (…)

As políticas ditas “de austeridade” são de facto políticas de concentração da riqueza, embora enfeitadas com fórmulas vazias de conteúdo e por isso hipócritas — “solidariedade europeia”, “nivelamento por cima”, “igualdade no progresso”, “coesão económica e social” — associadas a uma invocação recorrente dos valores europeus. Mas que valores? Os valores da Europa da Inquisição ou a das Luzes e do humanismo? Os valores da Europa das duas guerras mundiais, do bombardeamento da Jugoslávia, dos refugiados do Mediterrâneo, ou da Europa da Revolução Francesa e da grande Revolução de Outubro?

Depois espantam-se e insurgem-se contra o ascenso dos populismos. Mas o ascenso dos populismos não será a outra face do desprezo e da marginalização social e democrática das camadas populares, designadamente pela social-democracia? O crescimento destas forças não se deverá também aos políticos e às elites que confiscam a democracia em benefício das oligarquias? (…)

Portugal não pode ficar continuamente sob a chantagem dos mercados, do BCE e da sua correia de transmissão — a DBRS. (…)

O esforço financeiro que a dívida exige é colossal e vai continuar a penalizar o crescimento, o investimento e a situação social por muitos e muitos anos. (…)

A renegociação da dívida vai-se impor — a realidade tem muita força — mas quanto mais tarde pior. (…)

O euro é uma moeda simpática, mas muito cara para a nossa economia. (…) É uma moeda subavaliada para a Alemanha, beneficiando as suas exportações, e sobreavaliada para a maioria dos outros países. (…)

Neste quadro, aumenta na Europa a influência das forças políticas e dos movimentos sociais, bem como dos economistas, sindicalistas e entidades patronais que põem em causa o euro.

Tendo em atenção as eleições que se vão seguir na União Europeia (a que se poderão juntar as da Itália e até da Grécia) e após a derrota de Renzi — a Itália também está com um PIB ao nível de 2002 —, mais se justifica que se prepare o país para uma eventual dissolução do euro ou para uma saída unilateral por vontade própria ou exigida. Acresce que não está fora do horizonte a possibilidade de uma nova crise financeira que tudo precipitaria. (…)

Por isso, encarando todas as eventualidades, é um imperativo nacional a redução dos contratos da dívida externa não tituladas em direito português que representará cerca de 25%. A dissolução negociada do euro seria a melhor solução para a Europa e para Portugal, encontrando-se depois formas de cooperação monetária muito mais realistas e progressistas, mesmo na fase do necessário e apertado controlo do movimento de capitais. (…)

Mas mesmo com a resolução da questão do euro, se não resolvermos o problema da dívida, esta regressará de novo, bem como a pressão sobre os salários, pensões e “Estado social”.

Queremos ter mais 16 anos de estagnação, troikas, chantagens e tutelas?

Queremos uma marcha forçada, à margem dos povos, sem consultas populares e sobretudo sem referendos para uma Europa ainda mais supranacional, com órgãos não eleitos, como o BCE e a Comissão a sobreporem-se às instituições nacionais com legitimidade democrática? Então não se espantem que os povos venham a desprezar os “eleitos” e a correrem com eles. Nem sempre na boa direcção.»

(*) Recordo que, mesmo os não assinantes do Público, sem acesso ao jornal a partir deste blogue, podem tê-lo copiando o respectivo url para uma janela privativa (ou algo com outra designação semelhante) em qualquer browser do Windows. 
.