Páginas

24.2.16

O OE de Jekyll e Hyde



«A mulher de Robert Louis Stevenson acordou numa noite de 1885 com os gritos do marido. Este estava a sonhar. E ficou irritado: "Porque me acordaste? Estava a sonhar com um conto de terror."

Aparentemente foi nessa noite que nasceu o estranho caso do doutor Jekyll e do senhor Hyde. Nele, o respeitável Jekyll bebe algo que o transforma no brutal Hyde, que se dedica a cometer crimes horrorosos. Vendo o debate sobre o OE deste ano quase se poderia perguntar quem faz de Jekyll ou de Hyde quando se fala de impostos. Será que cada partido se transforma em Hyde quando chega a S. Bento? Haverá ali alguma poção mágica que transtorna até os mais puritanos dos seres humanos? A acreditar no que se escutou, penosamente, no Parlamento nestes últimos dois dias, parece que sim.

É certo que não se discutiu seriamente nada sobre o OE. Tudo se resumiu a uma heróica carga ligeira da oposição contra o Governo, onde a forma foi sempre superior ao conteúdo. Ninguém está equivocado: os impostos directos foram substituídos por indirectos, Bruxelas e as agências de "rating" voam como abutres sobre a cabeça de Portugal, e cada partido posiciona-se para umas eleições que poderão surgir quando, e se, a situação económica se degradar ou o Governo achar que pode ganhar com isso. Perante isso, a sociedade portuguesa parece passiva e politicamente correcta, típica daquela que o filósofo espanhol Ortega y Gasset considerava técnica e consumista e onde os homens perdiam os seus valores. Muitas das intervenções no Parlamento foram pura representação. E demonstraram um vazio político e trivial. Não se discutiu o real, mas sim conceitos vazios que têm apenas que ver com o poder. Todos sabem que este é o OE possível, porque Bruxelas põe e dispõe. Com estes juros a dívida é uma grilheta eterna. Sabendo isso, PS e PSD olham-se nos olhos como pistoleiros em busca da arca perdida. E Passos Coelho, entre Jekyll e Hyde, ou regressa depressa ao poder ou eclipsa-se.»

0 comments: