Páginas

18.2.16

Os centros de decisão



«Em 1945, o empresário Alfredo da Silva, da CUF, atraiu outros empreendedores, como António Champalimaud e Fernando Ulrich, e compraram uma jovem companhia aérea.

Transformaram-na na Companhia de Transportes Aéreos, que passou a fazer as ligações aéreas diárias entre Lisboa e Porto por pouco módicos 306 escudos. O capital português resolvia um problema de transportes rápidos entre as duas principais cidades do país. Hoje, como se vê por todo o lado, o capital nacional está congelado. O célebre debate dos "centros de decisão nacional" é recordado como uma tempestade num copo de água e sucessivos governantes tiveram um prazer masoquista em alienar ao capital estrangeiro tudo o que tinha peso relativo na economia portuguesa. Pode argumentar-se que não havia capital, porque todos estavam endividados até ao limite. É verdade. Mas isso não deveria ter implicado que o Estado se tivesse transformado numa mercearia rasca. Por isso, a discussão sobre a entrada de capital chinês na TAP é risível.

Quando os governantes portugueses se deram ao luxo de destruir um património nacional como o do BES, por vingança pessoal, por tributo a Bruxelas ou por simples défice de inteligência, percebe-se que a lição de Nero continua bem viva em algumas pretensas elites. A decadência confunde-se com a precária condição humana. Mas ajuda-nos a compreender as contradições e revela-nos os aspectos obscuros do poder. E pode ser fonte de lucidez. O debate tribal sobre os "centros de decisão nacional" deixou muitas feridas e aqueceu os bolsos de algumas pessoas. Mas, no fundo, não se aprendeu nada. Uns quantos "liberais" (mais no emblema da lapela do que como essência ideológica profunda) acreditaram que não era necessário um cruzamento dos interesses do Estado com o que restava do capital nacional para defender pilares estratégicos. Só pensaram em "negócios" particulares. A CGD só não voou porque não calhou. E agora alguns piam por causa do "capital chinês" na TAP, como se fosse um escândalo.»

Fernando Sobral
. 

0 comments: