Páginas

11.3.16

Dica (243)



Marcelismo, dia terceiro. (Fernanda Câncio) 

«Este lado temerário, irresponsável e tão pouco cristão de Marcelo, há décadas a fazer as delícias do jornalismo dito "político" (o qual, não esqueçamos, integrou nos primórdios do Expresso) e patente no descaramento com que renega declarações e ações anteriores, deveria deixar toda a gente com o mínimo de informação com um ou mesmo os dois pés atrás. Em vez disso, o que vemos são declarações de amor, baba e comoção, e o verberar autoritário dos partidos que "ousaram", recusando palmas na posse e no discurso, não aderir ao unanimismo marcelista. (…)

Tudo bem, ver Cavaco pelas costas é um alívio. E Marcelo puxa à festa, literal e metaforicamente. Mas se há algo de notável naquele discurso é ser uma camisola tamanho universal a que não falta sequer o bafio da exaltação da "alma tuga" - ali em "indomável inquietação criadora que preside à nossa vocação ecuménica" - e da "grandeza", a terminar numa espécie de grito de Nun'Álvares: "Pelo Portugal de sempre!".»
,

1 comments:

septuagenário disse...

Há certas esquerdas que não passam sem um "bombo prá festa"
Foi um, veio outro?