Páginas

4.4.16

PCP: a memória é uma coisa lixada


(Eduarda Sama)

«O PCP foi mesmo um dos partidos que lembraram no parlamento que o governo de Cavaco Silva recusou apoiar na ONU um voto pela liberação de Mandela, em 1987. Cavaco Silva alegava então que não podia intervir nos assuntos soberanos de um outro país e comentar o seu sistema de justiça. O argumento é inaceitável, disse o PCP, e outros partidos insistiram no mesmo. (…) Claro que me dirão que Luaty Beirão não é Mandela. Pois não. Mas os democratas defendem a liberdade de expressão conforme a pessoa em causa? Pois não, por isso Luaty ser diferente de Mandela é irrelevante para este efeito, pois ambos têm direito a serem livres e a protestarem contra um governo de que discordem.»

(Daqui)

1 comments:

Monteiro disse...

Comparar Luaty Beirão com Mandela é o mesmo que negar Mandela.

A Primavera Árabe ocorreu há cinco anos e levou a uma onda de manifestações que derrubaram os regimes de países como a Tunísia, Líbia e Egipto...

Para o jornalista e activista angolano Rafael Marques de Morais, a primeira manifestação pós-Primavera Árabe em Angola, a 7 de Março de 2011, foi precisamente inspirada pela Primavera Árabe.

Era uma Primavera Árabe em Angola, confessa que era o que pretendiam.

(Publicado no DW (Português para África)