Páginas

6.6.16

Sim, no Turquemenistão



Eis-me no Turquemenistão, mais concretamente em Asgabate. Ainda não vi praticamente nada, mas já deu para perceber que o calor chegou aqui e acampou: são 15:30 e os termómetros marcam 39 graus.

Este território fez parte da Rota da Seda até meados do século XV, foi anexado ao Imperio Russo no fim do século XIX, tornou-se república soviética em 1924 e conquistou a independência em 1991. A maior parte do país é desértica, mas tem a quarta maior reserva de gás natural do mundo e é fundamentalmente disso que vive.

República presidencialista, como é costume por estas paragens, com um primeiro líder que vinha do Partido Comunista da União Soviética e que, a meio do mandato, foi nomeado com carácter vitalício (e que tem por aqui uma estátua em ouro, que verei amanhã.). Morreu em 2006 e tem um sucessor, com fotografia por tudo quanto é sítio, que é aparentemente um pouco mais aberto ao Ocidente para aumentar as exportações de gás natural e algodão, cuja cultura ocupa cerca de metade da área irrigada.

Em termos religiosos, a população é esmagadoramente muçulmana, mas, tal como outras ex-repúblicas soviéticas, viu a prática religiosa reprimida enquanto esteve integrada na URSS.

Quanto ao pouco que já vivi e vi: uma burocracia perfeitamente infernal e caótica para conseguir sair do aeroporto: vistos e mais vistos, filas intermináveis para controles de tudo e de mais alguma coisa; uma cidade cheia de construções faraónicas, a começar pelo palácio de presidente – o de cúpulas douradas na imagem ali de cima –, que fotografei de uma janela ou não o teria feito por ser expressamente proibido; last but not the least: acesso ao Facebook, Twitter e mesmo Youtube absolutamente interdito – nem na Birmânia me tinha acontecido tal censura!

Amanhã há mais.



,

0 comments: