Páginas

14.7.16

O manda-chuva



«Nos velhos tempos da televisão portuguesa, o apresentador do boletim meteorológico era conhecido como o "manda-chuva". Porque era alguém que tinha o poder para decretar a chegada do dilúvio do céu ou a paz do sol.

A meteorologia é uma língua franca. Permite que iniciemos qualquer conversa. Charlie Chaplin, recorde-se, conheceu a sua enésima esposa quando lhe emprestou um guarda-chuva. Agora que os ingleses, os criadores da conversa fátua sobre o estado do tempo, abandonaram a UE, esta ficou dependente de um único boletim meteorológico: o que decreta, a partir de Berlim, a chuva e o sol. Wolfgang Schäuble, manda-chuva europeu, pode assim decretar que em Lisboa só chova e que em Berlim só faça sol. É um poder imenso que põe em causa as leis da natureza.

Numa recente entrevista ao Die Zeit, o filósofo alemão Jurgen Habermas, desconstrói esse perigoso facto: "A Alemanha é um poder hegemónico relutante, mas insensível e incapaz que ao mesmo tempo usa e ignora o perturbado balanço de poder europeu. Isto provoca ressentimentos, especialmente noutros países da Zona Euro. Como se sente um espanhol, um português ou um grego se perdeu o emprego como resultado de uma política de corte de custos decidida pela Comissão Europeia? Não podem denunciar os ministros alemães que impuseram a sua política em Bruxelas." Como é que um português olha para o rosto fechado de Schäuble, a pedir dureza e sanções, quando a Alemanha e França já incumpriram várias vezes com os seus défices e nunca aconteceu nada?

Disseram a Schäuble que ele era o manda-chuva e ele acreditou. Agora torna-se difícil ir contra o seu projecto de punir uns para defender a criação de um núcleo duro de uma nova UE. Houve um tempo em que a ideia de unidade europeia era tão poderosa que um ministro checo disse que os países se dissolveriam na UE como "um torrão de açúcar num café". O problema é que agora o café é amargo. Porque Schäuble e os seus amigos detestam não conseguir decretar que o Sul seja a terra da chuva e do frio. E não do sol.»

0 comments: