Páginas

25.7.16

Passámos mesmo para o nível da loucura




«O presidente da Spine Matters (associação de investigação, promoção e desenvolvimento do conhecimento na área da coluna vertebral) recorda ainda “a facilidade de quedas, tropeções", com "potencial de perigo neste público" - leia-se caçadores de pokémons -, e prevê “um aumento de lesões nos jogadores mais focados”.

Mas Luís Teixeira vai mais longe ao antever que, em breve, os perigos daquilo que tem sido desginado como “pescoço de SMS” poderão ser actualizados como “pescoço de Pokémon Go”. “Os estudos realizados na área revelaram que a força exercida no pescoço de um adulto a olhar para o telemóvel pode variar entre os 12 e os 27 quilos, e sofrer uma inclinação entre 15 a 45 graus. Estamos a falar de uma pressão extrema para esta zona, que pode levar a um desgaste precoce, degeneração e até cirurgias”, sintetiza.

Por isso, e de maneira a poder aproveitar melhor os benefícios de jogar Pokémon Go, minimizando os seus riscos, o presidente da associação Spine Matters recomenda que “a caça aos pokémons seja realizada pelo menos aos pares, estando sempre um dos elementos encarregue de lembrar o outro de fazerem pequenas paragens ao longo da busca”. Isto para que seja possível descansar alguns minutos "numa posição correcta e de pescoço erguido, que também podem ser aproveitados para realização de alguns exercícios posturais simples".» 
.

1 comments:

GWB disse...

e os calceteiros?