Páginas

27.7.16

Sobre as sanções, no país dos brandos costumes



«A decisão da Comissão Europeia de desencadear o processo de imposição de sanções a Portugal por “défice excessivo” não está a causar nenhum movimento de cidadania que se veja em termos de indignação contra esta imoralidade e injustiça.

O assunto tem sido discutido pelos políticos, pelos comentadores do costume, pelos meios de comunicação social, mas tem havido pouco mais para além disso.

As “vitórias europeias” no futebol e noutras modalidades desportivas, a praia, os festivais e outras festas de Verão e a caça aos pokémons distraem a atenção das pessoas deste e doutros assuntos que são relevantes para a nossa vida colectiva. (…)

[Portugal é ]“um jardim à beira mar plantado”. O clima é bom, não temos furacões, não temos ciclones, só houve um tremor de terra, mas já foi há muitos anos e localizado só numa cidade, não vivemos sob o risco de avalanches, ou de tsunamis, não tivemos que conquistar terra ao mar. Vivemos, por isso, sem necessidade de nos organizarmos colectivamente contra riscos naturais para podermos sobreviver individualmente. (…)

A pátria é como se fosse um “dado natural”. Está aí como as serras, as planícies, os rios, o mar e o céu. A pátria não é sentida sendo como uma construção colectiva pela qual a nossa geração e as que ainda estão próximas da nossa tiverem que suar sangue, suor e lágrimas. Sendo a pátria um “dado natural”, temos em relação a ela as emoções de gosto, ou de desgosto, do mesmo modo que também temos esse tipo de sentimentos em relação às pátrias dos outros. Por isso, também não nos importamos que os outros tenham esses sentimentos em relação à nossa pátria.

Tudo isto contribui para que seja muito difícil a organização de movimentos fortes da sociedade civil para fazer face a riscos sociais. A tendência é mais para colocar as esperanças de combate a esses riscos num poder político “forte” (autoritário, ou de maioria absoluta), ou então em “messianismos”. (…)

Infelizmente, o mundo actual vai num sentido onde os riscos socais vão sendo cada vez mais e cada vez maiores. Para lhes fazermos frente, não chega delegar tudo nos políticos. É preciso que a sociedade civil tenha capacidade para se organizar de forma colectiva e forte. Pelas razões que atrás referi, as nossas dificuldades são muito grandes a este nível, sendo a apatia face às sanções mais uma manifestação dessas dificuldades.

Mais preocupante do que as sanções em si, é a apatia da sociedade civil em relação a este processo.»

0 comments: