Páginas

6.8.16

06.08.1966. Chamaram-lhe «Salazar»



E, no entanto, com a sagacidade que o caracterizava, o presidente do Conselho de Ministros previu o que viria a acontecer alguns anos mais tarde. Antes do início das cerimónias da inauguração, ao ver o seu nome num dos pilares, terá perguntado: «As letras estão fundidas no bronze ou simplesmente aparafusadas? É que, se estão fundidas no bloco de bronze, vão dar muito trabalho a arrancar.» Deram algum trabalho, sim, mas aconteceu:



No dia na inauguração, claro não se escapou a mais um discurso do inefável Américo Tomás:



Atravessei a Ponte alguns dias depois de ter sido inaugurada, no velho carocha de um amigo, com um bote em cima, a caminho da Arrábida. Começava uma nova vida, chegava-se muito mais rapidamente ao paraíso das nossas férias, sem cacilheiros dependentes de nevoeiros, nem longas filas de espera quando era preciso embarcar também um automóvel. Para quem vivia «do lado de lá», foi a facilidade quase inimaginável de alcançar Lisboa mais facilmente para chegar ao trabalho, ao liceu ou à faculdade ou simplesmente para passear.

Não deve ser fácil para quem nasceu mais tarde imaginar Lisboa sem «a Ponte». Mas nós, os seus antepassados, sobrevivemos. E tivemos de nos habituar depois às longas filas para a atravessar…
.

2 comments:

septuagenário disse...

Esta Ponte devia ter dois aniversários, neste cas0 2016 os 50 aninhos mas também os 42 anos de baptismo.

ié-ié disse...

Boa noite!

É possível saber-se a data do Diário de Notícias que anuncia que a Ponte passou a designar-se 25 de Abril?

Obrigado, cumprimentos,

Luís Pinheiro de Almeida