Páginas

23.10.16

O grau zero da democracia



«Que uma personagem tão caricatural, execrável e inverosímil como Donald Trump possa aspirar a ser Presidente da maior potência ocidental – e arraste atrás de si tantos milhões de eleitores, embora insuficientes, felizmente, para garantir-lhe a vitória – é um sinal alarmante da degradação da democracia na América. Mas se pensarmos que esse sinal já se projecta noutras regiões do planeta, desde a Ásia à própria Europa, então os motivos de preocupação ganham proporções inéditas nas últimas décadas, mais concretamente desde o pós-Guerra. (…)

Estaremos, assim, perante uma crise global das democracias, um canto do cisne das promessas da globalização do mercado livre e, por extensão irresistível, das sociedades abertas em que ele deveria, supostamente, prosperar?

Ora, precisamente, um denominador comum deste fenómeno é a tendência crescente para o isolacionismo, o fechamento das fronteiras, o temor do estrangeiro – alimentado, é certo, pelo terrorismo – e, last but not the least, a recusa da globalização. Uma globalização que, cavalgando na onda do capitalismo financeiro e da desregulação dos mercados, foi ampliando o número daqueles que dela se sentem excluídos e vítimas, com ou sem razão objectiva – mas reféns de fantasmas que os aprisionam nos seus medos.

É o desnorte da globalização, com as suas insustentáveis assimetrias, que favorece a emergência de um Putin – ou de um Trump. (…)

A 8 de Novembro os americanos vão votar em dois candidatos nos quais, segundo as sondagens, uma significativa maioria deles não confia. Trump é o que se sabe, mas Hillary Clinton – que, em circunstâncias normais, deveria ganhar por larguíssima maioria face a um perigoso marginal – não escapa ao estigma da duplicidade, do cinismo e da promiscuidade de interesses que acabaram por moldar o perfil mais sombrio da sua personalidade. (…)

Se fosse americano, votaria decerto em Hillary, mas por defeito. Para tentar escapar ao grau zero da democracia que ameaça a América – e o mundo.»

Vicente Jorge Silva