Páginas

2.11.16

«Nunca» é uma palavra insensata, camarada Francisco