Páginas

27.1.17

Pior a emenda que o soneto



Depois da polémica desencadeada pelas declarações de um dos sócios da Padaria Portuguesa, as explicações que deu apenas sujaram mais o cenário.

«Nuno Carvalho defende que num modelo de maior flexibilidade os funcionários da Padaria Portuguesa levariam mais dinheiro para casa. Isto porque muitos dos colaboradores se pudessem estariam com contratos de 60 horas semanais, de modo a não ter que arranjar outros trabalhados noutras entidades.» 
.

1 comments:

Victor Nogueira disse...

Pois ... Não fossem os limites humanos que recomendam o descanso, poderiam trabalhar 16 horas diárias com uma bucha para as refeições, folgando 8 e, nos dias de aperto patronal, poderiam ir até às 20 diárias folgando nos dias de folga 10 ou 12 compensatórias. É o "empreededorismo", the new mask do patronato.