Páginas

13.1.17

Ranking de enterros



«Anda por aí uma febre de rankings. Tudo tem um top por mais fundo que seja. Vão de um extremo ao outro: do ranking de escolas ao ranking das juventudes partidárias. Mas, desta vez, decidiram ir mais longe. A SIC andou durante dias a contar se havia poucas pessoas nas ruas nas cerimónias fúnebres de Mário Soares e a comparar o número com outros funerais. Um ranking dos sete palmos debaixo da terra.

Comparar enterros é muito família Addams. (…) Pegando nesta lógica ilógica, o funeral do Doutor Sá Carneiro teria de ser comparado com o da equipa do Chapecoense.

Na SIC, em termos de participação nas cerimónias fúnebres de Mário Soares, apenas faltou comparar o número do sindicato das funerárias com os números do Estado. (…)

O problema é que este tipo de top é redutor uma vez que, além de tentarem contar quantas pessoas iam velar o morto, os nossos jornalistas e comentadores, decidiram dividi-las em categorias. Havia os "curiosos", o "povo", "as elites", "os populares", os "íntimos", etc. Por exemplo, o primeiro lugar do top de enterros com mais "curiosos" penso que vai para o do Carlos Castro. Sinto falta do clássico - o enterro que teve mais gajas boas. Aí, aposto no da Cesária Évora.

Helena Matos definiu as pessoas que iam homenagear Soares como as "elites". Lamento, Doutora Matos, mas as elites não gritam "Soares é fixe!" - as elites não dizem "fixe". As elites, à passagem da urna, gritam "Soares é uma figura incontornável!"

O triste espectáculo da comparação e do insistir no "estava pouca gente" (o PS devia ter contratado figurantes paquistaneses) foi apenas isso, triste. Eu tenho a teoria que, se estava pouca gente, foi porque não dava para o presidente Marcelo estar em todo o lado ao mesmo tempo. Onde está Marcelo, há povo. E vice-versa.

Durante todo o dia, estive à espera do momento em que uma entrevista a popular (curioso, povo, transeunte) viesse repor a verdade dos factos:
Jornalista - Veio prestar homenagem ao Doutor Mário Soares?
Popular - Não, que horror. Detesto enterros. Vim ver se tiro uma selfie com o Professor Marcelo.»