Páginas

1.3.17

Kata Tjuta



Foi muito longo o dia, desde o acordar às cinco da manhã, a tempo de sair do navio o mais depressa possível, em Sydney, para apanhar o avião que nos trouxe a Ayers Rock. Nesta terra de aborígenes (que não se mostram), vim encontrar os tais 38 ou 39º previstos e milhares de moscas bem dispensáveis!

É aqui que se encontra o Uluru - Kata Tjuta National Park (Património Mundial da UNESCO desde 1987) e, se já avistei hoje o Uluru de vários ângulos, foi pelas 36 montanhas que formam Kata Tjuta que andei toda a tarde. «Andei» é uma força de expressão, porque só fiz uma pequena parte de uma caminhada prevista ou não estaria aqui para contar… Mas claro que chegou para ver o conjunto impressionante de cumes arredondados, desfiladeiros e vales, com muita verdura e que vão mudando de cor conforme a incidência do Sol (imagem no topo deste post, outras e vídeo mais abaixo). O mesmo acontece, aliás, com o Uluru e um ritual obrigatório, e que não falhei, foi ver as mudanças de tons, que vai tendo quando o Sol se põe (três últimas fotografias).

É tarde, amanhã o despertar é de novo às 5 para ver… o nascer do Sol. E o resto do dia será para o Uluru – que bem o merece.



video



.
.

1 comments:

Unknown disse...

Obrigada, Joana!

É bom poder participar desta sua viagem, através das descrições em palavras, fotos e vídeo. Para alguns de nós, será um desejo impossível de cumprir, mas através de si, é como se um pouco de nós também viaje. Continuação de boa viagem.