Páginas

2.8.17

Marcelo e Godot



«A grande especialidade do grande mágico Houdini era escapar-se de baús e de caixas onde estava encerrado. A Marcelo Rebelo de Sousa, pelo contrário, é difícil encerrá-lo num qualquer móvel de "design" nórdico.

Porque, pelo seu poder retórico, ele funciona como Houdini: liberta-se com facilidade de cordas e grilhetas. É, por isso, algo divertido assistir ao debate astrológico sobre se a interminável entrevista de Marcelo ao DN marca o fim de um namoro qualquer entre Belém e São Bento. Ou, pelo contrário, com mais ou menos liberdades semânticas, o idílio se mantém. Esta pretensa polémica lembra-me uma das grandes peças do teatro do absurdo, "Esperando Godot", de Samuel Beckett. Nela dois homens esperam uma personagem que nunca aparece, Godot. A espera converte-se em tédio. Até que um rapaz surge e diz que Godot não virá. Talvez amanhã, acrescenta. É isso que muitos tentam ler nas entrelinhas das palavras de Marcelo. Mas nada ali permite adivinhar uma mudança estrutural de opinião sobre o Governo: há uma maioria que governará até desejar ou se cansar de o fazer e a prioridade é a estabilidade financeira e económica. Ambas estão interligadas. Quando esse equilíbrio desaparecer, como qualquer Presidente faria, Marcelo poderá intervir. Por isso ficar à espera que Marcelo, como Godot, apareça amanhã e assuste este Governo é uma actividade infrutífera.

A política portuguesa está sempre sujeita a imprevisibilidades. António Guterres enjoou-se com o "pântano" e debandou. Durão Barroso viu a carroça de Bruxelas à frente e apanhou o primeiro avião. Sócrates tinha um PEC na mão e viu desaparecer o poder da outra. Passos Coelho tinha ganho as eleições antes de perceber que tinha sido apeado da cadeira em São Bento. Nada é garantido. Por isso Marcelo gere tão bem a visibilidade das palavras: elas permitem saltar facilmente para o outro lado do espelho. Hoje apoia-se o Governo, amanhã não sabemos. Não há aqui o fim de um romance. Há apenas realismo político.

0 comments: