28.10.18

Palmas para o «Expresso»




«A matriz identitária do Expresso radica nos seus princípios fundadores, na defesa permanente da liberdade e da democracia, na prática de um jornalismo obediente à deontologia e desobediente às manipulações do poder. Como escrevemos no nosso Estatuto Editorial, “atribuímos prioridade absoluta à coerência que historicamente nos tem permitido sermos nós próprios, além de quem sobe e de quem desce do poder. Se e quando, um dia, se tornar impossível manter essa coerência, o Expresso acabará, porque preferimos, nessas circunstâncias, morrer de pé”. Até lá, vivemos de pé. Até lá, tomamos todos os dias decisões editoriais orientadas pelos nossos princípios, os de uma sociedade livre, aberta, democrática, que porfia a justiça social, o equilíbrio de poderes, a prosperidade de todos e não de alguns nem contra alguns.

Este domingo, com elevada probabilidade, Jair Bolsonaro será democraticamente eleito Presidente da República Federativa do Brasil. Bolsonaro é um radical da direita radical, com um discurso que anuncia práticas políticas sectárias e autoritárias, que divide pela raça, pela nacionalidade, pela classe social, pela ideologia, pelo sexo e pela orientação sexual, que põe em causa a autonomia das instituições, a separação de poderes, a liberdade de imprensa, que fomenta o ódio, que promove a violência. O contrário do que a Constituição do Brasil estabelece como lei. O contrário do que a Constituição da República Portuguesa define como princípios fundamentais.

A onda de populismos e radicalismos que neste início do século XXI ameaça as democracias liberais, tal como foram constituídas nas últimas sete décadas, escala sobre os muros que a (e nos) defendem. Se as sondagens se converterem em votos, Bolsonaro presidirá ao maior país de língua portuguesa, um aliado privilegiado de Portugal, a que estamos indelevelmente unidos pela cultura, pelo passado e pelo futuro.

O Brasil somar-se-á à história sombria que, com matizes diferentes, está a ser construída nos últimos anos, com o endurecimento de regimes como o da Turquia e o das Filipinas, a eleição de populistas nos Estados Unidos, as subidas eleitorais de candidatos nacionalistas na Europa em países como França e Alemanha, o radicalismo na Polónia ou o antieuropeísmo em Itália. A eleição no Brasil ameaça os democratas, os que defendem sociedades abertas, inclusivas, fraternas, justas. A rejeição clara do que defende e propõe Bolsonaro é, pois, uma questão de decência.

O Expresso é “independente do poder político” e concebe os jornais como “instituições autónomas, através das quais os cidadãos possam, em liberdade e no pluralismo, procurar o esclarecimento de que necessitam para o exercício das suas opções.” O Expresso não toma posições eleitorais, mas sabe que imparcialidade não é neutralidade e assume que está de um lado, o lado dos valores essenciais da democracia, da liberdade, dos direitos individuais e do Estado de direito. Em tempos excecionais, votamos. A favor da preservação desses valores e contra o fascismo. Estes são tempos excecionais.»
.