31.12.19

Excelente 2053



Não há como ser previdente e optimista. Excelentes 33 anos para todos e obrigada por passarem por aqui.
.

Passar o ano «ao contrário»



Já acabei anos em vários locais de três continentes. Mas sempre que vejo primeiro Auckland, depois Sydney, etc., a chegarem à meia noite, lembro-me do ano em que passei «ao contrário», num voo de Los Angeles para Londres.

Partimos ainda no dia 31 e quando passámos perto da primeira cidade onde já era dia 1, a tripulação assinalou o facto e começou a distribuir champanhe aos poucos passageiros (quem se lembra de viajar nessa noite…). Depois, voltou a fazê-lo, creio que de hora a hora, à medida que íamos sobrevoando «longitudes» onde já eram 1, ou 2 ou… horas. Chegámos a Londres um pouco tontos…
.

Revolta de Beja



Hoje, às 21:05, na RTP2.

Ler AQUI.
.

As «penitências» de Augusto Santos Silva




Não me lembro de Santos Silva se ter penitenciado alguma vez por ter «malhado» em tudo o que mexe à esquerda. Nada que estranhe, aliás…
.

31.12.1968 – Uma importante iniciativa contra a guerra colonial



É um ritual: em 31 de Dezembro regresso à passagem do ano de 1968 para 1969. Há sempre quem não saiba que a Cantata da Paz, tão divulgada por Francisco Fanhais depois do 25 de Abril, foi por ele estreada nessa noite, numa Vigília contra a guerra colonial, com letra propositadamente escrita para o efeito por Sophia de Mello Breyner.



Em 31 de Dezembro de 1968, cerca de cento e cinquenta católicos entraram na igreja de S. Domingos, em Lisboa, e nela permaneceram toda a noite, naquela que terá sido a primeira afirmação colectiva pública de católicos contra a guerra colonial. O papa Paulo VI decretara que o primeiro dia de cada ano civil passasse a ser comemorado pela Igreja como dia mundial pela paz e, alguns dias depois, os bispos portugueses tinham seguido o apelo do papa em nota pastoral colectiva.

Assim sendo, nada melhor do que tirar partido de uma oportunidade única: depois da missa presidida pelo cardeal Cerejeira, quatro delegados do grupo de participantes comunicaram-lhe que ficariam na igreja, explicando-lhe, resumidamente, o que pretendiam com a vigília:

«1º – Tomar consciência de que a comunidade cristã portuguesa não pode celebrar um “dia da paz” desconhecendo, camuflando ou silenciando a guerra em que estamos envolvidos nos territórios de África.

2º – Exprimir a nossa angústia e preocupação de cristãos frente a um tabu que se criou na sociedade portuguesa, que inibe as pessoas de se pronunciarem livremente sobre a guerra nos territórios de África.

3º – Assumir publicamente, como cristãos, um compromisso de procura efectiva da Paz frente à guerra de África.»

Entregaram-lhe também um longo comunicado [que está online] que tinha sido distribuído aos participantes, no qual, entre muitos outros aspectos, era sublinhado o facto de a nota pastoral dos bispos portugueses, acima referida, tomar expressamente partido pelas posições do governo que estavam na origem da própria guerra, ao falar de «povos ultramarinos que integram a Nação Portuguesa».

Apesar de algumas objecções, o cardeal não se opôs a que permanecessem na igreja, ressalvando «a necessidade de uma atitude de aceitação da pluralidade de posições».

Pluralidade não houve nenhuma e, até às 5:30, foram discutidos todos os temas previstos e conhecidos: vários testemunhos, orais ou escritos, sobre situações de guerra na Guiné, Angola e Moçambique.

Hoje, tudo isto parece trivial, mas estava então bem longe de o ser. Aliás, seguiu-se uma guerra de comunicados entre Cerejeira e os participantes na vigília. Com data de 8 de Janeiro, uma nota do Patriarcado denunciou «o carácter tendencioso da reunião», terminando com um parágrafo suficientemente esclarecedor para dispensar comentários: «Manifestações como esta, que acabam por causar grave prejuízo à causa da Igreja e da verdadeira Paz, pelo clima de confusão, indisciplina e revolta que alimentam, são condenáveis; e é de lamentar que apareçam comprometidos com elas alguns membros do clero que, por vocação e missão, deveriam ser não os contestadores da palavra dos seus Bispos, mas os seus leais transmissores».

A PIDE esteve presente (há disso notícia em processo na Torre do Tombo), mas não houve qualquer intervenção policial. Alguns jornais (Capital e Diário Popular) noticiaram o evento, mas sem se referirem ao tema da guerra colonial – terão provavelmente tentado sem que a censura deixasse passar. A imprensa estrangeira, nomeadamente algumas revistas e jornais franceses, deram grande relevo ao acontecimento. E foi forte a repercussão nos meios católicos.

P.S. – Quatro anos mais tarde realizou-se uma outra vigília pela paz, na Capela do Rato, com consequências bem mais gravosas, já que envolveu uma greve de fome, prisões e despedimentos da função pública.
.

30.12.19

E hoje não é dia de «Inimigo Público»




«”Esta é uma condecoração pensada para a projecção de Portugal no mundo, tal como fez o Infante D. Henrique”, concluiu Marcelo Rebelo de Sousa.»

«“É com orgulho que recebo esta condecoração. Sei o significado dela, sei bem quem é o Infante D. Henrique, porque todos os dias no Brasil tinha de atravessar a Avenida Infante D. Henrique."» (J. Jesus citado noutros jornais)
.

E por vezes



E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos E por vezes

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites, não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos.

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos

David Mourão-Ferreira


.

Nesta, alinho


.

Igualdade, ficção científica



«2019 termina como começou. Só no mês de janeiro foram mortas oito mulheres em contexto de violência doméstica. Nestes últimos dias do ano, sucedem-se homicídios e explicações que mostram o quanto o sentimento de posse continua a dominar as relações.

"Ele era muito ciumento. Não queria que ela trabalhasse, nem que falasse com ninguém", conta uma amiga de Helena, a mulher de 34 anos degolada à frente dos dois filhos.

Somam-se outras notas dos dias com a desigualdade retratada em números. Duplicaram as queixas de trabalhadoras do comércio junto da Comissão para a Igualdade. Reclamações devido a diferenças em função do sexo, horários e salários. As desigualdades no acesso ao emprego agravaram-se e, ao ritmo atual, teremos de esperar até ao ano 2276 para que homens e mulheres estejam nivelados.

Há 30 anos, sonhavam-se viagens ao espaço, tecnologia inovadora, capacidade de teletransporte, um mundo de ciborgues. Tirando a perigosa utilização de dados pessoais em múltiplos setores e aplicações, a realidade está bem afastada dos caminhos imaginados pela ficção científica. E, ainda assim, não fomos dominados por máquinas, mas estamos longe de atingir o respeito integral pela vida e pela pessoa humana.

Somos, na era das redes e da conexão permanente, rápidos a disparar mas nem sempre ponderados a refletir. Gritamos muito sobre os problemas, mas tardamos a encontrar soluções. Não se vislumbra um sinal de alteração de comportamentos ou de decréscimo nos números da violência doméstica, por mais que o assunto tenha enchido páginas e estado no centro do debate público nos últimos meses. Na viragem para um novo ano, projetamos desafios da ciência, do ambiente, da política. Falta aquele que é o objetivo aparentemente mais simples, transversal a todos os outros: mais humanidade em tudo o que fazemos e idealizamos. No que isso significa de atenção a todos e ao valor absoluto de cada um.»

.

29.12.19

Francisco e Marcelo




Este papa está a copiar o nosso Marcelo: fala todos os dias sobre tudo e mais uma ova!

«A Sagrada Família, Jesus, José e Maria, rezava, trabalhava e comunicava entre si.» Como é que ele sabe?
.

Anda tudo a falar de 20-20



… e ninguém se lembra de que já houve 20-20-20.
.

Portugal precisa mesmo de ter excedente orçamental?



«NÃO. Há excedente orçamental sempre que as receitas do Estado superam as despesas (incluindo os encargos com a dívida). Podemos pensá-lo como lucro, mas dá-se o caso de o Estado não ser uma empresa. O seu objetivo não é a criação de valor acionista. Logo, os excedentes são sempre recursos não reinvestidos no país.

O excedente não deve ser, por isso, o objetivo. E o défice, deve? Também não. O equilíbrio está numa gestão sob critérios de justiça social que pondere a sustentabilidade das contas no longo prazo. A austeridade provou-nos que a cura errada agrava a doença, mas a sua lógica perdura em regras orçamentais europeias que representam um programa que está a esventrar o Estado social — e não só. Face à renúncia do Estado a reforçar a sua capacidade redistributiva e de proteção social, está aberta uma crise de representação que é o espaço das direitas mais perigosas. Há muita ideologia por detrás das “contas certas”.

Acresce que, tal como o mundo empresarial nos tem vindo a provar, a orientação para o lucro de curto prazo tem efeitos nefastos na economia. De igual forma, a gestão curto-prazista das contas públicas pode levar à subvalorização de outras opções — como a redução dos impostos sobre as famílias ou o investimento na qualificação económica — e a más decisões orçamentais. Adiar a compra de um comboio em nome de uma décima de excedente pode representar anos de despesa acrescida num aluguer. A degradação de equipamentos públicos torna mais cara a sua futura recuperação.

E porquê investir agora? Porque os juros estão historicamente baixos e necessitamos de capacidade produtiva e serviços públicos resilientes. Sob uma eventual nova crise, o excedente passará a défice em segundos e nenhuma reputação resistirá aos humores coléricos dos mercados. Só um investimento criterioso, feito agora, poderá proteger-nos então.

Mas “o superávite ajuda a baixar os juros”! Bom, isso desconsidera o papel do BCE e do crescimento económico na atual redução para taxas negativas (e sem excedente). “O excedente reduz a dívida!” Mas, no oceano da dívida, os 590 milhões que mudariam o SNS são uma gota — mais eficaz é aproveitar agora para substituir dívida cara por barata, trabalhando para que, no médio prazo, o país continue a crescer mais que a dívida.

O ideal teria sido não comprometer €3900 milhões no Novo Banco da Lone Star... Mas quem sou eu para falar de contas certas a quem tomou a notável decisão de deitar esse dinheiro à rua?»

Mariana Mortágua
.

28.12.19

Agora não


«Sem cedências significativas ou um acordo de longo prazo que lhe garanta uma “governação tendencialmente à esquerda” BE e PCP não devem viabilizar o Orçamento. Porque se o fizerem sem que o seu conteúdo o justifique estarão obrigados a deixar passar todos os Orçamentos futuros, esteja lá o que estiver. Agora ainda todos se lembram que a “geringonça” está morta. Daqui a um ano, depois de se cimentar a ideia que há uma maioria de esquerda para governar, isso será um passado longínquo. Serão, sem qualquer garantia, parceiros involuntários de Costa. Sempre defendi entendimentos à esquerda. Mas a condição é a clareza e a reciprocidade. Chantagem não é diálogo. O PS escolheu, ao não negociar, que a governação resultaria de “soluções pontuais, negociadas caso a caso”. O Presidente deveria ter falado nessa altura.»

Daniel Oliveira, Expresso, 28.12.2019
.

Acabe 2019 com optimismo


.

Assim, até eu...




... faria exercício físico!
.

Centeno, o nosso Joker?



«”Joker” não foi o melhor filme do ano. Mas foi o mais influente. O Joker saltou dos ecrãs de cinema e conquistou as ruas. Esteve em todas as manifestações que abanaram os pilares da ordem estabelecida. O Joker não é de esquerda, nem de direita. É um enigma. Não está interessado em divertir-nos. Pelo contrário, no filme e nas ruas, quer causar dor e devolver ao mundo o que sofreu.

No filme, começa por ser um palhaço sem piada. Mas, depois, o espectador deixa de ter vontade de rir. Este Joker é sério: ri, mas não está aqui para nos contar piadas. O sorriso do Joker é o do caos. A sua ordem é a desordem. A interpretação de Joaquin Phoenix tornou-o símbolo da indignação em todo o planeta. E esta, tem-no provado sucessivas eleições, trocou o jogo de cartas político. Os ases trunfo do passado já não são sinónimo de triunfo.

Há um Joker no nosso pequeno mundo político? Rebuscando bem, só se consegue descortinar alguém que, não sendo o Joker, está sempre a sorrir: o sr. Mário Centeno. Há, desde logo, uma grande diferença entre ambos: o Joker é um perdedor. O sr. Centeno era, até há pouco tempo, o vencedor. Todos, no Governo, usavam um “pin” com a sua face e todos tentavam imitá-lo a sorrir. Cansaram-se.

Enquanto sorria, o sr. Centeno aumentava os impostos, fazia cativações, não assinava transferência de verbas. Como aprendiz de Joker chegou mesmo a dizer que já tinha assinado a autorização para se contratarem quatro mestres para os barcos da Soflusa.

Quando um ministro da Finanças tem de autorizar pessoalmente contratações de pessoal de uma empresa, não precisamos de um Joker para desestabilizar. Com mais ou menos sorriso, ele está dentro do poder a fazer mais estragos do que dezenas de manifestações nas ruas.

Mas o sr. Centeno não é o Joker. Às vezes sonha ser Batman. Sonha com o equilíbrio orçamental. Com a ordem acima do caos. Só que essa ordem começou a dinamitar os pilares da estabilidade social. E, claro, as emoções dos eleitores. Recorde-se Joker – são os cortes do orçamento para o apoio social e para os medicamentos que levam Arthur (Joaquin Phoenix), à loucura.

O sr. António Costa deve ter ido ver esta nova versão de Joker antes do texto final do OE. As sociedades são hoje teias imprevisíveis. Como dizia Alfred, o fiel mordomo de Bruce Wayne, em “The Dark Knight” (de 2008): “Alguns homens não buscam coisas lógicas como o dinheiro. Não os podes comprar, nem acossá-los, nem negociar com eles. Alguns homens, tudo o que querem, é ver como arde o mundo”. Foi a austeridade radical que atiçou o fogo na Europa liberal. E agora há quem esteja surpreendido porque as chamas se transformaram em radicalismo.

O Joker está para estes dias como a máscara usada por Guy Fawkes (e popularizada por “V for Vendetta”, a fantástica Banda Desenhada de Alan Moore) se tornou simbólica há uns anos nas ruas de todo o mundo. Fawkes, recordemos, tentou fazer explodir o Parlamento britânico em 1605 e assassinar o Rei.

Como muitos outros queria destruir a ordem vigente, para implantar outra. Mas o Joker de Joaquin Phoenix é o homem sem futuro de hoje, abandonado por uma sociedade insensível. Longe vão os tempos em que o Joker surgiu pela primeira vez, na década de 1940, pela mão de Bob Kane e Bill Finger. Era apenas um vilão. Quando Frank Miller o reinventou, na década de 1980, Gotham já era um lugar escuro onde não havia lugar para o Bem.

Num mundo corrupto, um homem musculado como Batman era a solução. Este mundo tem demasiadas analogias com o que vivemos hoje. O Joker não é Charlie Chaplin ou Buster Keaton, ou seja, uma face que, como estes, tenta reter a dignidade num mundo caótico. Eles, fazendo rir, tinham esperança no amor e nos seres humanos. O Joker não é nada disso: nada tem a perder. E já não quer saber se quem ri por último, ri melhor.»

.

27.12.19

Medo e Subserviência


«Mas houve uma coisa em que aqueles três anos [da troika] tiveram efeitos profundos: animaram, com a ajuda do discurso autopunitivo contra um povo que tinha vivido acima das suas possibilidades e a aceitação rastejante de uma intervenção estrangeira, o pior da nossa identidade coletiva. Uma identidade desenhada por meio século de ditadura e marcada pelo medo e a subserviência. Ela está muito viva. E ainda serve ao poder político e económico.»

Daniel Oliveira, Expresso, 27.12.2019
.

SNS?



Agora que acabaram as consoadas. Ao ouvir a mensagem de Natal do nosso PM, este «boneco» não me saía da cabeça.

Enquanto os portugueses mordiam uma rabanada, António Costa vestiu o fato de vendedor curandeiro, deixou a rena à porta de um Centro de Saúde e passou cinco minutos a falar de doenças e das suas milagrosas medidas para delas cuidar – nada mais apropriado para ser ouvido num jantar de Natal. Quanto a tudo o resto e que estratégia tem para o país? Zero. Who cares?!
.

Adeus Holanda, há quem prefira chamar-se «Baixo»



Los Países Bajos abandonan el nombre de Holanda.

Espanto! Não consigo fechar a boca.

«La decisión, tomada por el Gobierno, la junta de Turismo y la patronal, busca entre otras cosas cambiar la imagen internacional del país. Las autoridades consideran que la marca Holanda está demasiado asociada al sórdido red light district – el barrio rojo de la prostitución – de Amsterdam o a los canutos de marihuana.»


.

Da falta de noção



«No dia 18 de Dezembro, Francisca Van Dunem, actual ministra da Justiça, participou numa homenagem a João Antunes Varela, jurista e um dos criadores do Código Civil de 1966. Isto seria muito normal, não fosse o caso de Antunes Varela ter sido ministro da Justiça entre 1954 e 1967. Ou seja, foi ministro da Justiça de uma ditadura, que não tinha legitimidade, que não respeitava direitos e liberdades e onde muitos julgamentos eram uma farsa.

Bem sei que, em Portugal, os juristas têm-se na conta de seres iluminados. É um que é o que mais percebe de constituições, é outro que é o pai do Direito Administrativo, é outro que é o maior em fiscalidade. E Antunes Varela é o pai do Código Civil. Há até quem lhe chame o Código Varela. Quando foi feito, era dos códigos civis mais avançados do mundo, até previa o direito à anulação do casamento caso a mulher não fosse virgem e dava ao marido o papel de chefe de família e, como tal, com todo o poder paternal do seu lado (tendo a mulher, incrivelmente, o direito a ser ouvida). Enfim, não levemos isto muito a sério: os juristas portugueses são tão cheios de si que se tratam uns aos outros por “ilustres colegas”. Que a justiça em Portugal funcione tão mal e seja uma das principais causas do nosso atraso, quando é composta por tantos ilustríssimos, é um pormenor.

Eu percebo que é necessário separar a ideologia de Antunes Varela do seu trabalho como académico e jurisconsulto. Mas Van Dunem foi longe demais por, pelo menos, dois motivos. Em primeiro, não faz qualquer sentido tratar o direito como uma Ciência que possa ser discutida fora da realidade política e social concreta. Em segundo, porque Van Dunem elogiou, não só o académico, mas também o ministro do Estado Novo Antunes Varela, elogiando pela obra que fez, incluindo a construção de prisões e tribunais.

Ao falarmos de Antunes Varela, estamos a falar de um ministro da Justiça de um regime onde havia os tribunais plenários para fazer julgamentos políticos, onde, muitas vezes, as sentenças já iam escritas pelos pides. Foi ministro da Justiça de um regime que manteve um histórico socialista, partido que suporta o seu governo, Edmundo Pedro, dez anos preso sem sequer ter sido condenado. E, como Edmundo Pedro, muitos outros ficavam eternamente presos sem culpa formada. Além dos que, uma vez cumprida a pena, continuavam nos calabouços com o pretexto de que representavam um perigo para a segurança do país.

A ministra da Justiça de um regime democrático fazer uma homenagem a um ministro da Justiça de uma ditadura, evitando criticar as injustiças a que esse homem presidiu, é indigno e é, objectivamente, participar numa lavagem do antigo regime. Tal como se eu, enquanto economista, escrever um artigo a falar dos bons resultados conseguidos pelos ministros das Finanças e da Economia de Pinochet, brilhantes economistas doutorados na Universidade de Chicago, sem nunca me referir à natureza torcionária do regime, estarei a branquear aquele regime. E, se isto é verdade para um ministro da Economia ou das Finanças, muito mais o é para um ministro da Justiça. Afinal, o ministro das Finanças ainda pode alegar que é um tecnocrata que nada tem a ver com presos políticos ou com o funcionamento dos tribunais e das polícias. No caso de um ministro da Justiça, tal alegação é, apenas, absurda.»

.

26.12.19

Mao Tsé-Tung



Faria hoje 126 anos e não escaparia a uma selfie com Marcelo!
-

Fernanda Montenegro




...deseja Boas Festas aos brasileiros.
.

Também serve para a ceia de Natal


.

Figura do ano? Cristina Tavares



Escrevia há dias Martín Caparrós, numa crónica do jornal "El País", que há uma sobrerrepresentação de próceres nas efígies das notas: os grandes das nações, quase todos patilhudos.

«Apesar da observação do escritor e jornalista argentino ser contaminada pela realidade sul-americana, é possível dizer que se passa mais ou menos o mesmo quando se escolhem as figuras que marcam o ano que acaba. Com uma ou outra exceção "pop" (este ano foi Greta Thunberg), são os próceres que marcam o ritmo: Trump, Bolsonaro, Merkel ou Johnson lá fora; Guterres, Marcelo, Costa ou Centeno, cá dentro. Sem patilhas, que estão fora de moda, mas próceres ainda assim. Melhor figura do ano seria Cristina Tavares, a operária da corticeira de Santa Maria de Lamas, duas vezes despedida e duas vezes reintegrada. O primeiro despedimento, ainda em 2018, por extinção fraudulenta do posto de trabalho. A segunda, estava 2019 a começar, por difamar a empresa, ou seja, por denunciar o negreiro que a obrigou a carregar e descarregar, sucessivamente, na mesma palete, os mesmos cinco sacos, com as mesmas cinco mil rolhas cada um. Ao contrário do que é habitual neste mundo moderninho, cheio de beleza "instagramável", em que já não há proletários, só colaboradores e equipas, a arbitrariedade do capitalista não se impôs. Cristina aferrou-se ao posto de trabalho e ao salário (magro) que lhe garantia a subsistência e a do filho. Uma postura heroica, quase suicida, que foi chamando gente. Do mundo dos sindicatos e dos jornais primeiro. Do mundo dos partidos e da cultura depois. Cristina ganhou as duas batalhas. Mas sabe melhor do que ninguém que a guerra por um mundo mais justo e menos desigual não termina nunca. Se não for esta Cristina, outros irão provar os efeitos da prepotência e da ganância. Como alertou aliás o bispo emérito Januário Torgal Ferreira, voz incómoda que regressou ao ativo em nome de Cristina. A mensagem que trouxe não foi a da esperança, como a que alguns próceres da Igreja usam para adormecer crentes mais incautos. Trouxe antes uma mensagem de resistência e de libertação: "Resistam, resistam (...) Porque amanhã outros tentarão quebrar as pernas a outros trabalhadores".»  

 .

25.12.19

O Natal é vermelho


Este texto de Nuno Ramos de Almeida é um verdadeiro conto de Natal - de vidas que não podem ser esquecidas.

«Tive a sorte de nascer num tempo em que pude ver o escuro e a madrugada. Mesmo quando anoitece, sei que é possível ver o Sol nascer com uma claridade que varre tudo ao seu redor, nem que se tenha de fixar a cara de alguns e escolher uma pedra.» 
.

E não há Natal sem esta



.

Condecoração no tempo certo



Que Marcelo condecore o Menino Jesus no Natal parece-me adequado.
.

Não digo do Natal



Não digo do Natal – digo da nata
do tempo que se coalha com o frio
e nos fica branquíssima e exacta
nas mãos que não sabem de que cio

nasceu esta semente; mas que invade
esses tempos relíquidos e pardos
e faz assim que o coração se agrade
de terrenos de pedras e de cardos

por dezembros cobertos. Só então
é que descobre dias de brancura
esta nova pupila, outra visão,

e as cores da terra são feroz loucura
moídas numa só, e feitas pão
com que a vida resiste, e anda, e dura.

Pedro Tamen, in Antologia Poética 
.

24.12.19

Recordar é viver


.

Natal sem...



... judeus, refugiados, negros, etc., etc.
.

Ladainha dos póstumos Natais



Ladainha dos póstumos Natais

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que se veja à mesa o meu lugar vazio

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que hão-de me lembrar de modo menos nítido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que só uma voz me evoque a sós consigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que não viva já ninguém meu conhecido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que terei de novo o Nada a sós comigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem o Natal terá qualquer sentido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que o Nada retome a cor do Infinito

David Mourão-Ferreira, in «Cancioneiro de Natal»
 

..

23.12.19

Não acreditem em sondagens, não…



Ler AQUI.
.

PSD... há 34 anos



Visto por Nuno Brederode Santos em… 1985.

(Crónicas, 1974-2001, Jornal Expresso, p.112)
.

Sydney?



Sim, em 10.12.2019.

(Daqui)
.

Bota apertada magoa os dedos



«A apresentação do Orçamento do Estado (OE) para 2020 e a discussão em curso, despertaram-me a imagem do que nos acontece quando adquirimos, ou "herdamos" de alguém, umas botas apertadas: magoam-se os dedos dos pés e podemos ficar com bolhas dolorosas que nos obrigam a andar de chinelos.

Lembrei-me também de ter visto, na minha primeira visita à China, em 1984, duas mulheres chinesas com pés minúsculos resultantes da "tradição" de, desde crianças, comprimirem os pés para que ficassem sempre pequenos. Estas imagens colocam-me uma interrogação: será que estamos condenados a ter uma sucessão de OE sempre a apertar-nos, tolhendo a vida do povo e a capacidade de percorrer novos caminhos, e tornando o país definitivamente pequenino?

Observemos enfoques que o Governo vai enunciando, reflitamos sobre áreas relevantes do caderno de intenções que o OE corporiza e os sinais que procura dar à sociedade, na certeza de que entre objetivos enunciados e a sua concretização existirá uma enorme distância. E só a ação política concreta vai determinar o que é falso ou verdadeiro.

A generalidade dos portugueses quer um Orçamento de "contas certas", mas tem o direito de afirmar - inclusive através das forças políticas e sociais - as prioridades para as suas vidas, de dizer não a compromissos sagrados face a políticas perniciosas da União Europeia e a rendas em alguns setores, de questionar se o OE deve ter excedente. Isso não põe em causa o rigor com as contas nem o respeito pelos nossos compromissos coletivos. O comum dos cidadãos é responsável nas escolhas que faz para a gestão dos seus recursos, que às vezes são muito escassos; é rigoroso e envergonha-se quando está em falta. Ao contrário, muitos ricos e poderosos, que consideram o povo tendencialmente gastador, não cumprem as suas obrigações, mentem descaradamente, só respeitam a ética da "Família" a que pertencem, e protegem-se em interpretações das leis que tornam os seus roubos legais.

Quando há dinheiro deve-se investi-lo (bem) e não faltam áreas onde a aplicação dos cerca de 500 milhões de euros, que se projetam como excedente para o OE 2020, possam produzir significativos ganhos futuros para os portugueses. O endeusamento do excedente não tem nada de científico.

Quando, para efeitos de política salarial e de atualização dos escalões do IRS, o Ministro das Finanças escolhe a inflação prevista para 2020 (0,3%) em vez de ter em conta a verificada em 2019 (1%) não o faz por nenhuma razão científica ou técnica, mas tão-somente porque assim condiciona o crescimento dos salários, desde logo na Administração Pública (AP) e das pensões, e porque coloca muitos portugueses a pagarem mais impostos. É positivo afirmar-se prioridade à saúde, mas este setor, como outros, não se tornará mais eficaz sem valorização dos seus profissionais.

Um OE é bom quando aposta no desenvolvimento social e humano, no trabalho e atividades dignas, nas condições de produção de riqueza e sua justa distribuição, no conhecimento, na participação cívica e na cultura; quando coloca as pessoas como sujeitos dos seus direitos e deveres e não deixa ninguém abandonado aos caprichos da benevolência alheia. Em alguns destes campos o OE para 2020 não avança com sinais positivos e coloca espartilhos que nos podem magoar.»

.

22.12.19

Nuno Brederode Santos



Da contracapa das «Crónicas» de Nuno Brederode Santos.
.

Do multilateralismo à política transacional


«A grande mudança que Trump trouxe à política internacional foi a substituição do multilateralismo (organizações e acordos internacionais promovendo o interesse comum dos diferentes Estados) pela política transacional, que concebe a política internacional como qualquer outro negócio, em que cada um faz uso da força que tem. Este é um Mundo em que os estados com mais poder vão ganhar no curto prazo (Trump tem conseguido vitórias significativas em acordos de comércio). É um Mundo feito para Trump, Xi Jiping, Putin ou Erdogan. Não é um Mundo feito para uma Europa de estados nacionais, em que todos são pequenos perante os velhos e novos grandes...»

Miguel Poiares Maduro
.

Assim vamos envelhecendo



.

Estará o crescimento ultrapassado?



«É inequívoco: estamos a viver acima dos limites do nosso planeta. A menos que mudemos alguma coisa, as consequências serão desastrosas. Será que esse facto passou a ser o nosso foco no crescimento económico?

As alterações climáticas representam o risco mais relevante que nós enfrentamos e já estamos a ter um vislumbre dos custos. E quando digo “nós”, também me refiro aos norte-americanos. Os Estados Unidos, onde um importante partido político é dominado por quem contesta as alterações climáticas, são os maiores emissores de gases com efeito de estufa per capita e o único país que se recusa a cumprir o acordo climático de Paris de 2015. Há, portanto, uma certa ironia no facto de os EUA também se tornarem um dos países com os mais altos níveis de danos à propriedade associados a eventos climáticos extremos, tais como inundações, incêndios, furacões, secas e frio intenso.

Houve uma altura em que até alguns norte-americanos esperavam que as alterações climáticas pudessem beneficiá-los. As águas costeiras do Maine, por exemplo, tornar-se-iam aptas para nadar. Mesmo hoje, alguns economistas ainda acreditam que não há grandes motivos de preocupação, desde que limitemos o aumento da temperatura média global para 3-4oC, comparado com o limite de 2 oC estabelecido pelo Acordo de Paris. É uma aposta insensata. Prevê-se que as concentrações de gases com efeito de estufa estejam no seu nível mais alto, em milhões de anos, e não temos mais para onde ir se perdermos a aposta.

Os estudos que sugerem que poderíamos suportar temperaturas mais elevadas estão profundamente errados. Por exemplo, uma vez que as análises de risco adequadas são sistematicamente omitidas, os respetivos modelos não têm peso suficiente na probabilidade de “maus resultados”. Quanto maior for o peso atribuído ao risco de maus resultados, e quanto piores forem esses resultados, mais precauções deveremos tomar. Ao atribuir-se pouco peso — muito pouco peso — a resultados muito desfavoráveis, esses estudos influenciam, sistematicamente, a apreciação de não se fazer nada.

Além disso, estes estudos subestimam a não linearidade nas funções de dano. Por outras palavras, os nossos sistemas económicos e ecológicos podem ser resistentes a pequenas mudanças de temperatura, com os danos a aumentar apenas proporcionalmente à temperatura, mas a partir do momento em que as alterações climáticas atinjam um certo limite, o aumento de danos acelera em relação ao aumento da temperatura. Por exemplo, a perda de culturas torna-se grave como consequência das geadas e das secas. Ao passo que as alterações climáticas abaixo do limiar podem não afetar o risco de geadas ou secas, um nível mais elevado aumenta desproporcionalmente o risco desses eventos extremos.

É precisamente quando as consequências das alterações climáticas são grandes que somos menos capazes de absorver os custos. Não há fundo de seguro ao qual possamos recorrer se precisarmos de investimentos para dar resposta a grandes aumentos do nível do mar, riscos imprevistos na saúde e migração em grande escala como resultado das alterações climáticas. O facto é que, nessas circunstâncias, o nosso mundo será mais pobre e menos capaz de absorver essas perdas.

Por fim, aqueles que defendem uma estratégia de “esperar para ver” no que toca às alterações climáticas — que é um desperdício de dinheiro tomar grandes medidas hoje por um risco incerto num futuro distante — normalmente pagam juros elevados por essas perdas futuras. Ou seja, sempre que alguém toma uma medida que tenha custos ou benefícios futuros, tem de se avaliar o valor presente desses custos ou benefícios futuros. Se um dólar daqui a 50 anos valer o mesmo que hoje, poderá haver motivação para se tomarem medidas fortes para evitar perdas; mas se um dólar daqui a 50 anos valer três cêntimos, não haverá essa motivação.

A taxa de desconto (como avaliamos os custos e benefícios futuros em relação a hoje) torna-se assim crucial. Aliás, o Governo do Presidente dos EUA, Donald Trump, disse que ninguém iria querer gastar mais do que três cêntimos hoje para evitar a perda do dólar em 50 anos. As gerações futuras simplesmente não importam muito. Isto é moralmente errado. Mas os defensores do não fazer nada, que ignoram todos os avanços da economia pública nos últimos 50 anos que têm dito o contrário, argumentam que a eficiência económica assim o exige. Eles estão errados.

Temos de tomar medidas sólidas, agora, para evitar o desastre climático para o qual o mundo está a caminhar. E é um desenvolvimento bem-vindo que tantos líderes europeus estejam a liderar esforços para garantir que o mundo se torne neutro em carbono até 2050. O relatório da Comissão de Alto Nível sobre Preços do Carbono, que copresidi com Nicholas Stern, argumentava que poderíamos alcançar a meta do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global para 2oC de forma a que melhorasse os padrões de vida: a transição para uma economia verde poderia estimular a inovação e a prosperidade.

Essa perspetiva diferencia-nos daqueles que sugerem que os objetivos do Acordo de Paris só podem ser alcançados com o fim da expansão económica. Acredito que isso esteja errado. Por muito equivocada que esteja a obsessão pelo aumento do PIB, sem crescimento económico, milhares de milhões de pessoas continuarão sem alimentação, alojamento, vestuário, educação e assistência médica adequados. Mas há muita margem de manobra para se mudar a qualidade do crescimento, de forma a reduzir significativamente o seu impacte ambiental. Por exemplo, mesmo sem grandes avanços tecnológicos, podemos alcançar a neutralidade do carbono, até 2050.

Mas isso não acontecerá por si só e não acontecerá se deixarmos isso apenas a cargo do mercado. Isso só acontecerá se combinarmos altos níveis de investimento público com uma forte regulamentação e preços ambientais adequados. E isso não pode acontecer ou não acontecerá se colocarmos o fardo da adaptação nos ombros dos pobres: a sustentabilidade ambiental só pode ser alcançada em paralelo com os esforços para se alcançar uma maior justiça social.»

.

21.12.19

Carlos do Carmo, 80



.

Não é um conto de Natal



… mas uma bela realidade. Há muito tempo que sigo o trabalho de Adriana Costa Santos na Bélgica e, finalmente, há um anexo de um jornal português que lhe dá guarida. No Facebook, há muito que a sua actividade é conhecida e divulgada.

.

As «Crónicas» do Nuno



Se ainda estão a comprar prendas de Natal, aproveitem esta sugestão. Foi a que ofereci a mim própria e que me dai deliciar nos próximos dias.
-

Flor de estufa com espinhos



«Divertido, Marcelo Rebelo de Sousa troca piadas com André Ventura. O deputado que finge ser contra o sistema está visivelmente excitado por estar em Belém. E o Presidente não resiste a mandar uma laracha sobre o “vergonhoso”, envolvendo-se de forma ligeira num assunto interno de outro órgão de soberania. Para Ventura a política é uma anedota, para o Presidente não pode ser. É evidente que a admoestação de Ferro Rodrigues foi deslocada. Deu pólvora a quem vive de fogo de artifício. Mas o enfado de Ferro é a outra face da bonomia de Marcelo — mesmo depois dos EUA e do Brasil, tudo dança a música que o artista escolhe. Convém, por isso, pôr as coisas no seu lugar. Foram inúmeras os vezes que quem dirige os trabalhos do Parlamento chamou à atenção de deputados por termos usados. Umas com razão, outras nem por isso. Desta vez foi sem ela, mas não houve qualquer consequência prática. Muito menos censura. O Chega! apenas conseguiu transformar um banal incidente parlamentar em tema nacional, com direito a conferência de imprensa e outdoor.

Não foi só o outdoor. Mal foi dado o tiro de partida, tropas virtuais espalharam rios de ódio pelas redes sociais, com calúnias abjetas sobre o Presidente da Assembleia da República. Os mesmos que ao primeiro reparo se atiram para o chão num pranto, vítimas de ignóbil censura, lançam na lama quem se atreva a levantar-lhes a voz. Com eles todas as mesuras são poucas, para os outros todo o insulto é justificado. Os mesmos que organizaram abaixo-assinados para que Joacine Katar Moreira nem pudesse tomar posse declaram-se mártires do regime por um deputado que apoiam ser admoestado. Umas flores de estufa com picos aguçados. Mas a duplicidade de critérios é a base da sua tática. Veja-se o Brasil. Anos a queixarem-se do “politicamente correto” e, chegados ao poder, querem levar os humoristas da Porta dos Fundos à justiça por terem feito um filme a brincar com a sexualidade de Jesus. Até uma comissão parlamentar de inquérito querem criar.

Há quem ache que os devemos ignorar. Com Bolsonaro não resultou. Que devemos reagir sempre com indignação ou ridicularizá-los. Com Trump não resultou. Que os devemos integrar. Na Alemanha dos anos 30 não correu bem. Eu acho que se deve atacar onde lhes dói. Se uma das razões do voto é a insegurança social, exibe-se o programa de que o Chega! tem agora vergonha, onde se propõe a total privatização do SNS e da Escola Pública, a desregulação laboral e a redução drástica dos impostos para os ricos. Mostra-se como são eles os amigos da “elite do regime”. Se é por causa do descrédito da política, fala-se da pensão vitalícia que o porta-voz Sousa Lara recebia ou do candidato às europeias que é arguido por alegada burla ao Estado, como se fez esta semana. E como se vê com Trump, nem é certo que isso resulte. A degradação do espaço mediático e a banalização do escândalo tornou os cidadãos menos exigentes, não mais. De resto, é ser implacável quando pisarem o risco. Não permitir que se infiltrem nas forças de segurança para minar o Estado de direito. Não deixar que usem as redes sociais para a difamação. É mantendo o foco, não alimentando o circo com admoestações deslocadas, que se defende a democracia que eles querem atacar. Aí e no combate às causas profundas que levam cada vez mais gente a desistir do único sistema político que, com todos os seus defeitos, a pode representar.»

.

20.12.19

Conselho sensato


,

20.12.1973 – «… más alto que Carrero Blanco!»



«Arriba Franco, más alto que Carrero Blanco!» – dizia-se em Espanha, em 20 de Dezembro de 1973.

Mais tarde, em Setembro de 1975, quando se deu em Lisboa a ataque à Embaixada de Espanha, foi em português que a frase foi gritada.





Os nosso vizinhos nunca brincaram em serviço.
.

Excedente de prosápia



«Engalanado pela ideia do lucro proveniente da perspectiva do único excedente orçamental em democracia, o primeiro Orçamento do Estado (OE) pós-geringonça é pouco mais do que um processo de intenções.

À excepção do reforço da dotação na saúde (a boa aposta que permite ao Governo enrolar a língua para puxar dos galões), este OE é um simulacro de melhores dias.

Com um par de piscadelas de olho à Esquerda e com o conservadorismo que não permite à Direita afiar as garras, António Costa pretende fazer-nos confundir músculos com tendões. Com margem para muito mais, esta é uma proposta de Orçamento sem força, mapa de balanço e contas de quem dobrou a espinha e, estranhamente, não se quer endireitar. Dá sinal de um país intermitente, refém do passado da troika que vai obsessivamente a inventário. É a desilusão esperada.

Provavelmente, foi também para isto que António Costa preferiu navegar à vista sem acordos parlamentares: para não ter que se comprometer com nenhum deles e não ter de acolher qualquer proposta das que, nas últimas semanas, lhe foram submetidas pelos partidos de oposição. No domínio da negociação em especialidade, competirá ao Governo repensar se, num quadro macroeconómico favorável e com contas públicas serenas e estáveis, não vai mesmo querer aprofundar a trajectória de devolução de rendimentos. Aparentemente, com um escasso investimento nos serviços públicos e na habitação, prefere apostar numa ilusão com promessa de aumento de impostos sobre a irresponsabilidade consumista, não respondendo às assimetrias e desigualdades do país em questões - tão relevantes - como a revisão dos escalões de IRS, a descida do IVA da energia, a resposta aos trabalhadores por turnos, a contratação de trabalhadores para os serviços públicos ou o aumento das pensões.

O Governo entende que pode fazer todo o caminho a sós, refastelado numa proverbial prosápia de retoma. Já o PS, com altivez de quem não se sujeita a núpcias, parece mais preocupado em potenciar uma maioria absoluta do que em desenvolver pontes da governação a quatro anos para a qual António Costa dizia estar preparado. Mas não negociando (e, em abono da verdade, não simulando que negoceia), nada mais faz do que oferecer uma pálida imagem à primeira impressão, permitindo margem de crescimento à Oposição que foi o suporte da estabilidade política que esteve na base do processo de recuperação económica do país nos últimos quatro anos, acentuando os desequilíbrios que lhe permitirão - num dia anónimo na legislatura - agitar as águas num contexto de uma crise política a que chamarão de sabotagem.»

.

19.12.19

Van Dunem elogia Antunes Varela




Mas o que é isto? Homenagem sem reservas, sem memória histórica de Tribunais Plenários e presos políticos? Já chegámos a este ponto?

(P.S. - Em 19 de Dezembro de 1961, foi assassinado pela PIDE José Dias Coelho, precisamente quando Antunes Varela era ministro da Justiça. Bingo para a escolha da data da homenagem, senhora ministra da Justiça!)
.

Jornalistas e Hospedeiras



TVI recruta jornalistas à Hospedeiras de Portugal.

Eu preferia que as Hospedeiras de Portugal recrutassem jornalistas da TVI.
.

Refugiados na Grécia: crianças que dizem que querem morrer



«A BBC lançou esta quarta-feira uma pequena reportagem em vídeo, gravada na ilha de Lesbos, na Grécia, onde uma psicóloga se torna protagonista - pelas piores razões. É Angela Modarelli, dos Médicos Sem Fronteiras, que conta para as câmaras o que as crianças que ali vivem lhe contam nas consultas.

Moria é o maior campo de refugiados na Europa, ocupam-no principalmente sírios. Foi construído em 2015 e tem capacidade para pouco mais de 2000 pessoas, mas neste momento tem perto de 18 mil. Os últimos três meses foram particularmente difíceis no campo porque o fluxo de migrantes voltou a crescer imenso - as pessoas querem chegar antes que se abata sobre o Mediterrâneo o inverno a sério.

“Cheguei aqui e comecei a ouvir crianças com sete e oito anos a dizer que queriam morrer. Não pensei que fosse algum dia fosse ouvir tal coisa”, diz a especialista na reportagem.

As imagens mostram várias crianças a caminhar pelo campo enlameado, com alguma comida em sacos, sandálias em vez de botas quentes. Vêem-se mulheres com os filhos ao colo e também elas estão praticamente descalças. A certo ponto, os Médicos Sem Fronteiras são chamados à Clínica Pediátrica e Modarelli conta à BBC que o caso mais sério, naquele dia, era o de um adolescente que tinha “começado a magoar-se a si próprio” e que “diz que lhe apetece repetir esse ato porque o faz sentir-se melhor”.

“As crianças em idade pré-escolar batem com a cabeça na parede consecutivamente ou então arrancam os cabelos, os que têm entre 12 e 17 anos fazem mal a eles mesmos, automutilam-se, e começam a falar do seu desejo de morrer”.»

(Daqui)


.

18.12.19

Mariana Mortágua: «Quem não tem uma maioria absoluta…»



Hoje, na Assembleia da República.
.

Natal? Ausência justificada


.

Há 58 anos – O primeiro golpe no império



Foi na manhã de 17.12.1961 que tiveram início as operações militares que levaram à ocupação da cidade de Pangim, capital de Goa, na noite do dia seguinte. O «império português» levou então uma grande machadada com a anexação de parte do seu território pela União Indiana.

Ler AQUI.
.

Patxi Andión




E morreu, estupidamente, num acidente de viação
.

Um Orçamento corrido a promessas, comissões e relatórios



«Havia de chegar o preço dessas escolhas tão atribuladas: uma dura campanha para acabar com a geringonça, depois a promessa no domingo das eleições de um novo acordo, para logo ser desmentida por uma rutura matreira (ainda alguém se lembra de que a razão invocada pelo PS para recusar um acordo escrito foi que tinha um entendimento de palavra com o PCP e não o queria prejudicar?), para chegar, finalmente, a um Orçamento em passo de corrida um mês antes do prazo, suportado por algumas negociações apressadas, inconclusivas e em todos os azimutes, umas conversas com as esquerdas ou o PAN e outras com o PSD-Madeira, tudo polvilhado com variadas medidas, umas atenuadoras de dificuldades, na saúde, e outras apimentadoras de uma greve geral, nos salários.

Uma primeira leitura da proposta do Orçamento evidencia alguns dos resultados desta engrenagem. Deixo para sábado uma análise mais detalhada e sublinho por agora o primeiro resultado desta dança orçamental, que é uma técnica nova de publicidade, o que alguém descreveu, com aquele carinho que seria de esperar, como “António Costa aprendeu a comunicar”: o Governo procura antecipar as sugestões dos partidos de esquerda e, em vez de negociar os detalhes, procurando um acordo substancial, bombardeia-os com a antecipação de medidas que atalhem caminho ou que, mesmo que vagamente, respondam ou, nalguns casos, até contrariem essas esperadas propostas.

Um exemplo é a subida extraordinária das pensões: instalado o escândalo (parece que já não se pode utilizar a palavra “vergonha”) da continuidade do congelamento de algumas pensões e da perda de valor real de todas as que só são misericordiosamente aumentadas em 0,2% ou 0,7%, o Governo sabe que as esquerdas proporão pelo menos um aumento extraordinário das pensões mais baixas, além do ajuste de todas pela taxa prevista de inflação, e vai daí promete no texto do OE o que era impossível na semana passada, esse mesmo aumento extraordinário. Não diz quanto, de modo que alguma coisa se determinará na especialidade, mas concede e apresenta antes mesmo de discutir o que poderia ter discutido antes de apresentar o seu Orçamento.

O segundo resultado deste imbróglio autoimposto é a multiplicação de normas programáticas ou, dito em bom português, de promessas vagas para justificar a recusa de medidas concretas. Em questões relevantes, o Governo usa a velha técnica de apresentar a corajosa constituição de uma comissão, ou mesmo, quando quer ir mais longe, declara que haverá um relatório, a seu tempo, bem entendido. Trabalho por turnos? Comissão e relatório. Cuidadores informais? Venha relatório. Escalões do IRS? Em 2021 é que vai ser, ninguém nos segura, no próximo ano é que não. IVA da eletricidade? A União Europeia vai fazer o relatório. Vistos Gold? Neste caso, o Governo é que vai fazer o relatório. Reforço do investimento para a Saúde Mental? Prometemos que pensamos nisso, é uma prioridade, portanto nada de decisões agora. Taxas moderadoras? Lá iremos, ainda não se sabe como. Programa de vida independente? Um relatório será. Reforço da oferta de habitação? Paciência, o relatório estava feito mas terá de ser menos do que o que foi prometido na campanha eleitoral, já era pouco, bem se sabe, mas a vida é como é.

Sobram algumas certezas, umas boas (tributação de alojamento local em áreas sobreutilizadas ou insistência no imposto sobre património imobiliário de luxo), outras péssimas (atualização de escalões do IRS com perda real). Se alguém não conhecesse este deve e haver, diria que o Orçamento ainda não sabe para onde quer ir. É o resultado da pressa e da atitude maioria-absoluta, quando, afinal, o Governo se apresenta mais frágil e mais dividido desde as eleições.»

.