18.8.09

Imagem de marca













Haverá alguém que resista a levar de Gilbert Jeune uns tantos cadernos «réglure seyès»?

Já quase não se escreve à mão, muito menos em cadernos. Mas estes são insubstituíveis, lindíssimos e aquela espécie de quadriculado passou (aparentemente, continua a passar) pela mão de gerações e gerações de franceses. Muitas das grandes obras da literatura e da filosofia desta terra começaram em «seyès» - por mais incrível que já possa parecer a muitos, não nasceram directamente em Word.

E o cheiro dos cadernos – tal como o dos livros – não se parece absolutamente com nada.

2 comments:

CristinaGS disse...

Se soubesse tinha-lhe encomendado uns tantos. Na escola da minha filha mais nova é o que se usa...e aqui não consigo encontrar udo o que pedem :))

Joana Lopes disse...

Pena... Já estou em Lisboa.