Páginas

19.6.16

A Saturnália portuguesa



José Pacheco Pereira no Público de 18.06.2016:

«Parece que até no exame de filosofia se falou de futebol e do “igualitarismo”. Não vi o ponto, à data em que escrevo, mas conheço bem demais a questão que periodicamente os intelectuais do futebol, que há muitos, trazem para justificar tudo: o futebol iguala os ricos e os pobres na mesma Saturnália emocional e irracional, uma espécie de espasmo, para não lhe chamar outra coisa, colectivo, que revela a “alma” de um povo que, de um modo geral, está dividido e desalmado.

A sucessão de imagens fabulosas dos políticos portugueses a prestarem honras a esta nova forma de altar da Pátria, a bola, é o sinal de um unanimismo desejado que, como é evidente, a democracia não contém no plano político. Deixou de haver Benfica, Sporting, Porto, somos todos da Selecção, esse local ideal da ausência do conflito, da paz perpétua. Mas que fabuloso retrato de Marcelo e Costa, na encarnação do Senhor Feliz e do Senhor Contente, nos autógrafos ao Ronaldo e de Passos Coelho zangado, firme e hirto numa sucessão de fotografias que o PSD colocou no seu site e que é um dos melhores espelhos do “estado” do partido. Nelas, na sede do PSD, em sucessão hierárquica de importância medida pela distância de cada mesa e cadeira ao Poder, sem qualquer espontaneidade, numa postura norte-coreana, destoa apenas um homem sem cachecol, o verdadeiro líder, Passos Coelho fardado de Primeiro-ministro com a célebre bandeirinha à lapela. Pôr cachecol tornava-o igual aos outros, tirava-o do pedestal. (…)

Mas pobre retrato este, dos retratados e do fotógrafo invisível. No pacote vêm todas as ambiguidades da nossa vida colectiva, povo, media e política, todos demasiado iguais na objectiva futebolística, mistura de oportunismo, ou seja, escolha de oportunidades que não se podem falhar, cegueira, apologia da irracionalidade numa sociedade que tanta falta tem de racionalidade, brutalidade, e alarvidade, desculpa pela violência, encolher de ombros perante a alternância bipolar entre a gabarolice antes e a depressão depois, como se o destino de tudo dependesse do sucesso do futebol, para Portugal ser grande de novo. (…)

O que é “desigual” continua desigual. E basta olhar para as imagens das gentes à saída ou à entrada dos jogos, para ver as tias e os betos e o mecânico de automóveis e a caixa de supermercado, mesmo quando todos estão de cachecol, cara pintada, e de chapéus com cornos. A desigualdade é uma coisa tramada, cola-se à pele e não há maneira de a tirar, a não ser “igualando”. (…)

Não quero, nem muito menos podia se quisesse, tornar diferente o mundo do futebol. Mas ao menos que paguem o preço da crítica, aqueles para quem a crítica ainda tem algum papel. Não são muitos, nem adianta muito, mas pelo menos que se saiba e se diga, que os media deixam nestes dias de ser media para serem uma sucursal do Entretenimento Inc., e que participam alegremente numa operação de dopagem colectiva que empobrece o país. O exagero absoluto que já tem pouco a ver com o que se passa no jogo, para se tornar reality show permanente, tão aditivo como um químico.

George Orwell, que percebia destas coisas, escreveu: “Futebol, cerveja e acima de tudo o jogo, enchiam o horizonte das suas mentes. Mantê-los controlados não era difícil”. Nestes dias de bola, percebe-se que não é.»
.

0 comments: