2.12.13

Há mar e mar, por vezes sem volta a dar



A propósito do caso dos Estaleiros de Viana do Castelo:

«Alexandre O'Neill converteu uma frase em destino: "Há mar e mar, há ir e voltar". Era esse também o sonho dos navegadores portugueses ou mesmo dos emigrantes quando olhavam para o Atlântico. (...)

Em Portugal, passa-se a vida a falar do mar (...) O problema é que muitas das declarações dos responsáveis políticos sobre o tema é um aglomerado de boas intenções. A grande estratégia marítima nacional, desenvolvida pela sua classe política, centra-se no consumo de lagosta à mesa. É a política da espuma.

Se dúvidas houvesse sobre isso, bastava atentar para a sistemática destruição do património de construção naval em Portugal, de que o recente caso dos Estaleiros de Viana do Castelo é exemplar. Depois de despedir 600 trabalhadores, o ministro Aguiar-Branco veio dizer que esse foi o dia do renascimento. Parecia o discurso de um marinheiro de água doce.»

Fernando Sobral, no Negócios de hoje.
.