20.9.10

Assim, vamos onde?


Dificilmente resisto a dar uma vista de olhos a enunciados de exames de Matemática. Foi o que hoje aconteceu quando recebi o link para a Prova 23 do Exame Nacional do Ensino Básico deste ano (vulgo 9º ano).

Primeira perplexidade: grande parte do conteúdo do «Formulário» incluído, ou seja o que não é exigido que os alunos saibam de cor para resolverem os problemas. Alguns exemplos? O valor do famoso π, 2πr para calcular o perímetro de um círculo, uma série de fórmulas para determinar áreas elementares, como a do dito círculo, a de um paralelogramo, etc., etc., etc. De volumes nem falo para não me irritar, porque isto do de um cilindro ser igual à área da base vezes altura deve já soar a mandarim.

Seguem-se catorze problemas, concedo que alguns sejam de complexidade mediana, mas outros são de tal modo elementares que me fazem corar de vergonha.

Ousa-se (no 9º ano!...) testar assim o conhecimento da existência do teorema de Pitágoras: 
«Os comprimentos de um lado de um triângulo podem ser 10 cm, 12 cm e 23 cm?» 
(Uma aposta que houve quem fosse fazer as contas?)

E há problemas como este:
«Num arraial, a Beatriz comprou um saco com mais de 60 rebuçados.
Quando os contou dois a dois, não sobrou nenhum. O mesmo aconteceu quando os contou cinco a cinco, mas, quando os contou três a três, sobraram dois.
Qual é o menor número de rebuçados que o saco pode ter?
Mostra como chegaste à tua resposta.»

Espero não ter escrito um post muito complicado!...

P.S. – Se alguém tiver acesso a provas de nível equivalente ao 9º ano, noutros países, em língua acessível, gostava muito que me enviasse uma ou duas.
...
...