Páginas

3.6.16

Pela minha rica sardinha



«Não sei se o leitor é como eu, mas eu dou muita importância àquilo que como. Por exemplo, quando me falam de perca do Nilo, eu digo: não obrigado. Já lá estive, no Nilo. O que eu conheço do Nilo é cocó com bambu à volta. Um peixe que sobrevive naquela água é porque aprendeu a não respirar. Pode estar a fazer-se de morto só para me atacar quando o for cozinhar. Vem isto muito pouco a propósito da sardinha. Muita sardinha devora uma pessoa nesta altura. Se as sardinhas tivessem uma indústria cinematográfica, debaixo de água, o clássico do terror delas era o 13 de Junho. No meu caso, o que me aterroriza é o preço da meia dúzia.

Os limites à captura de sardinha fazem com que as transacções em lota deste peixe sejam cada vez mais baixas, o que leva ao aumento do preço. A sardinha teve um aumento de preço médio de 10,2% ao ano de - 0,31€/kg em 1995 para 2,19€/kg em 2015. Pumba! Senhores analistas financeiros, etc., que desde 1995 investiram no BCP, BES, PT, BPI, vejam como, afinal, o melhor investimento era o cabaz da sardinha. Mil vezes a lota do que a banca. A sardinha é que devia estar no PSI-20. Mas, infelizmente, tal como na banca, estamos sujeitos à invasão espanhola. (…)

Mas, afinal, a sardinha, que peixe é este? A sardinhas são peixes da família Clupeidae, aparentados com os arenques, mas não gostam que se diga. Dão-se mal. Caracterizam-se por possuírem apenas uma barbatana dorsal sem espinhos, caudal bifurcada e boca sem dentes e de maxila curta… Isto são eufemismos para dizer que é um peixe que tem um grande bedum, que ainda por cima não sai da roupa. Nem dos cabelos. O cheiro de sardinha não sai nem que andemos à luta com todos os empregados de um McDonald's. Eu sei porque já experimentei.

Isto que eu vou contar é verdade, pelo menos é verdade a partir de agora. Conheci um senhor que assava sardinhas debaixo da ponte de Portimão que, meses depois de morrer, ainda tinha a campa cheia de gatos. E fiquem sabendo que ainda hoje não construíram nada nos terrenos da feira popular porque cheira muito a sardinhas.

Vá, vão lá dar cabo delas, porque daqui por mais vinte anos, com uma dose de sardinhas, compram uma ilha. Bom apetite.»

João Quadros

0 comments: