Páginas

16.4.16

E apesar de tudo move-se: a "realidade" ameaçada pelas surpresas



José Pacheco Pereira no Público de hoje. Escolho algumas «surpresas» e algumas «realidades» das muitas, que foi alinhando.

«Sim, apesar de tudo, a Terra move-se. Apesar dos “mercados”, apesar do “não há alternativa”, apesar da “realidade”, a nova palavra que a direita usa para qualificar o statu quo quando está no poder ou quer lá chegar. Quando chama Deus para as suas fileiras e chama Deus à “realidade". Apesar de tudo, move-se. De forma caótica, inesperada, desigual, sem direcção nem sentido, mas, na história que não tem H grande, costuma ser assim. Nada nos garante que se chegue a algum lado, ou que se chegue a um lado melhor, – o mais provável é sempre que se chegue a um lado pior – mas é assim mesmo. Vejam-se várias surpresas que a mudança, ou talvez o Demónio, faz à “realidade”.

Surpresa – temos em Portugal um governo de “maioria de esquerda”. A surpresa é tanta que muita gente ainda não percebeu o que se passou, do PS, ao BE, ao PCP, e terminando no PSD, que não só não percebeu o que se passou, como tem enorme dificuldade em aceitar… que a “realidade” é outra. O PSD é o Grande Sacerdote da “realidade” pelo que será sempre o último a perceber. Há quem diga que o CDS percebeu. Vamos ver.

“Realidade” – a radicalização política veio para ficar. Marcelo, o Grande Distensor, faz o que pode, mas rapidamente esgotará o pouco que pode. Não tem a “realidade” do seu lado. Hoje toda a gente quer posicionamento, lados, fileiras, ou estás comigo ou contra mim. Não é de agora, mas como as coisas estão mais cataclísmicas, a parada dos “lados” sobe bastante. (…)

Surpresa – a declaração Costa–Tsipras é um facto inédito na política europeia. Pela primeira vez um governo da União fez coro com os excomungados gregos contra a ideologia da “austeridade”. Pode não valer muito face aos poderosos do Eurogrupo mas irritou-os certamente. Como o governo Costa não poderá nunca esperar mais do que alguma cosmética desses zeladores da ortodoxia do “ajustamento”, irrita-los não é irrelevante.

Surpresa ou “realidade”? – eu ainda sou capaz de me surpreender com a patetice de um partido que, no meio da tempestade, que pelos vistos não vê no horizonte, acha relevante conduzir uma causa “fracturante” contra um papel, o Cartão do Cidadão, em nome do “combate ao sexismo”.

“Realidade” – é uma vergonha, para não lhe chamar outra coisa, ver a logomaquia sobre a “legalidade” dos offshores. Os offshores não são uma anomalia abusiva da “realidade” dos “mercados”, são uma coisa absolutamente aceitável e defensável para quem tem dinheiro, e pode fazer “planeamento fiscal”. Os offshores só são ofensivos para quem está do lado errado do “ajustamento”. Vai ficar tudo na mesma. (…)

“Realidade” – conseguimos tornar a política ocidental (EUA, Reino Unido, França) no Médio Oriente ainda mais confusa e sem saída do que tem sido nas últimas décadas. (…)

Surpresa – a “realidade” nunca ganha. Pode atrasar, pode fazer a vida negra a muita gente, pode causar enormes desperdícios e destruições, mas nunca ganha porque é a-histórica, não é do domínio da natureza, mas da teologia, está para a astronomia como a astrologia, é um desejo de mandar em nome de uma ordem “natural” que não existe na natureza. Até a “mão invisível” lhes faz partidas.» 
.

0 comments: