5.9.14

Barroso – um Nobel contra a Paz



«Custa a acreditar que Putin tenha dito a Barroso que, se quisesse, invadiria Kiev em 15 dias. Conhecendo a fanfarronice do Putin, na melhor das hipóteses, diria que invadiria Kiev em 15 minutos, "todo nu só com uma catana". Por outro lado, todos sabemos que Durão adora aparecer; adora fingir que é grande e que se dá com os enormes. E que sabe coisas que os outros não sabem. Barroso é um mitómano no lugar ideal para isso. Provavelmente, o que Putin lhe disse é que daqui a duas semanas ia comprar uns boxers à prova de ursos, a Kiev. Durão é o "Nosso Homem em Havana" em Bruxelas. Um vendedor de aspiradores em pó capaz de provocar uma guerra. Barroso já ajudou a começar a guerra do Iraque, agora quer fazer o mesmo com a III guerra mundial. Devia ganhar o prémio Nobel contra a Paz. (...)

Não sei se Durão está a ir por bom caminho. Os russos não são flor que se cheire. Barroso nunca mais pode comer uma sopa sem que lhe saiba a polónio 210 e, mais grave, os russos andam com a febre da anexação e vamos ter problemas. Ainda agora saiu a troika e já há ditadores de olho em nós. Acho que o Presidente da República devia fazer uma declaração, a deixar bem claro que Portugal não tem nada a ver com o Durão Barroso. Ele ser português, afinal, nunca nos deu jeito. Só nos trouxe chatices. Estamos por um fio. Se calha o cão do Obama dar uma dentada no embaixador russo, vamos ter um Outono nuclear em Portugal. Entre isso e as primárias do PS, venha o Putin e escolha.»

João Quadros