25.2.15

John Wayne, o governo português e a Grécia



«Quando, em 1969, John Wayne recebeu o seu único Óscar emocionou-se. Mas fez rir a plateia ao dizer que se soubesse que ia ganhar, tinha utilizado uma pala 35 anos antes.

O galardão foi entregue a Wayne pela sua interpretação do xerife Rooster Cogburn, que usava uma pala num olho. John Wayne, o último dos duros, sabia comunicar. O Governo português, que gosta de parecer durão, é um desastre nessa área. É um pistoleiro envergonhado, que só sabe usar Colts 45 contra aqueles que parecem mais fracos. É uma opção de vida e de coerência ideológica.

Afinal o Governo faz de John Wayne contra a Grécia para que os portugueses esqueçam a crueldade dos números: a dívida externa em vez de descer, voltou a subir em 2014. Ou seja, após três anos de austeridade a dívida vai nos 128,7% do PIB. Em vez de encurtar, porque esse seria o resultado da poção milagrosa da troika e do Governo, aumentou. (...)

Se reconhecesse o seu erro o Governo teria de se julgar a si próprio, em vez de julgar os outros. Compreende-se: o Governo pensa no seu futuro partidário em vez de ser a voz do interesse nacional. Nada a opor a esta versão "selfie" da política. Mas escusa o Governo de fingir que está aqui para defender o interesse dos portugueses.»

Fernando Sobral