Páginas

2.10.16

Peniche, ainda



Tem de vir alguém de direita, neste caso João Taborda da Gama, escrever o óbvio, quando muita esquerda amolecida já está disposta a baixar os braços e a admitir todos os compromissos e coabitações? Sim, parece que sim.  


«Preservar património é dever. Concessionar monumentos é necessidade. Fazer um hotel no Forte de Peniche é barbárie. (…) 
É preciso poder ir ao forte, estar por lá, deambular nas celas, no recreio, sem bares de gin tónico nem massagens ayurvédicas, ouvir o vento, ouvir o mar, como ao menos ouviam os que lá estavam, e perceber, por fim, a irredutibilidade da liberdade.» 
.

1 comments:

luis reis disse...

É obvio.Basta ver o que se passou em Lisboa. A venda do edificio da PIDE para condóminio de luxo! Não foi uma obra de Siza Vieira? Chatisse. A Esquerda? Essa divide-se entre a Trindade e Portugália.passando pelos Restauradoures na Chave D'Ouro...façam os Hoteis as casotas que quizerem. Já dei para essa freguesia.E nem conto a História a metade...