Páginas

25.5.10

Abraço de urso – mas que o urso não seja negro porque esse é perigoso


Ia comentar este parágrafo de um texto de Tomás Vasques quando vi que João Tunes se tinha adiantado. Escreve o primeiro:

«O pior que podia acontecer a Manuel Alegre é o apoio do PS à sua candidatura: perde as eleições e é o responsável pela reeleição de Cavaco Silva. O PS, no Domingo, através da Comissão Nacional, vai dar o abraço de urso a Manuel Alegre. »

Tarefa simplificada pelo João, portanto, porque ia precisamente contra-argumentar, insistindo no que tenho vindo a pensar e a escrever nos últimos dias: tudo levando a crer que a direcção do PS acabará por apoiar a candidatura de Manuel Alegre, que se mantenha o mais longe possível porque, desse modo, «Alegre ganha espaço político para a mobilização e batalha política presidencial. Assim a esquerda, que até hoje só perdeu uma eleição presidencial, traga o movimento e a campanha de dentro das igrejas e das suas sacristias, para o adro do povo que sofre o centrão prolongado que se alimenta de uma sociedade desigual em perpétuo acentuar das desigualdades.»

Espere-se portanto que, no Domingo (não no Sábado, afinal, talvez para não ofuscar a manif…), Sócrates «toque e fuja» - para tão longe quanto imaginar se possa.

(Na foto: um simpático urso negro, perto de Luang Prabang, Laos)

(Publicado também aqui)
...

3 comments:

Saudoso disse...

Tanto faz o PS apoiar como não apoiar o Alegre; o facto é que ele não tem nada para oferecer ao país enquanto PR. O Cavaco ainda consegue mobilizar importantes sectores da sociedade, o Alegre parece que só mobiliza os intelectuais puros, que aceitam alguns apoios com nojo indisfarçado.

Vou votar em branco.

septuagenário disse...

É como quem me arranca um dente, mas não resisto:

O Manuel Alegre traz-me a lembrança de Humberto Delgado, mas, obviamente, sem saber quem demite...tantos havia para mandar para a rua.

P.S. Usei anestesia para o dente.

Pinto de Sá disse...

Francamente, desde que o Mário Soares esvaziou a Presidência da República de qualquer poder, por causa dos seus desaguisados com o Eanes, é totalmente irrelevante quem venha a ser o próximo Presidente. Sobretudo num momento em que a bancarrota está à porta e o próprio Euro em perigo de vida!
A menos que o que excite seja o cheiro a pólvora da própria campanha eleitoral - se sobrevivermos até lá...