15.4.10

A propósito da tal história de César e também da sua mulher




Por razões de segurança e para evitar congestionamento no trânsito, o governo decidiu dar uma tarde de tolerância de ponto a Lisboa e uma manhã ao Porto, quando Sua Santidade (que raio de expressão…) por cá andar. Deve ter certamente um qualquer ressentimento em relação ao Oeste, já que quer que todo o Portugal entupa os seus caminhos, no dia 13.

Isto, obviamente, porque longe de mim suspeitar que um Estado laico ande a decretar feriados por motivos puramente religiosos.

Há por aí uns católicos ressabiados pelas reacções que vão aparecendo contra esta decisão de Sócrates e que dizem esperar que os ateus empedernidos se apresentem garbosamente ao trabalho. Como se nesses dias, por um qualquer milagre da Virgem, nos tornássemos todos suecos, cheios de civismo e de zelo pelo PIB…

Se S. Pedro ajudar – e o que não fará ele pelo seu sucessor – as praias estarão mais cheias do que várias Covas da Iria e o Porto terá este ano um segundo S. João antecipado. Valha-nos isso.

P.S. - Leia-se o que muito correctamente sublinha a Fernanda Câncio.