26.2.11

Uma gafe é uma gafe


...  mas a de Sócrates, ontem na AR, foi pretexto para um comentário de Filomena Martins, importante neste excerto. Se PS e PSD não se equivalem, a «desideologização» de ambos aproxima-os - infelizmente.

«José Sócrates, numa reacção irritada à interpelação que Jerónimo de Sousa lhe fez sobre o facto de os "sacrifícios não serem para todos" - desta vez por causa de a PT ter conseguido no ano passado os maiores lucros de sempre de uma empresa portuguesa e ter pago menos impostos que no ano passado -, criou ontem o momento de maior bruaá do debate parlamentar. Tudo porque, apontando para as bancadas do PCP e do Bloco, acusou de dedo em riste "os dois partidos da esquerda", deixando de fora dessa "categoria" os seus socialistas. Consciente do erro, emendou de imediato a acusação para "os dois partidos da extrema-esquerda". E consciente das críticas que iria receber, voltou a emendar para um justificativo "todos perceberam que eu queria dizer os dois partidos mais à esquerda do PS".

Mas aquilo que, inconscientemente, ou por mera atrapalhação das palavras, disse o primeiro-ministro é apenas a tradução prática do que há anos se passa na realidade política nacional. As diferenças entre os dois partidos do centro que alternam no poder têm sido muito mais de pessoas do que de ideologias. Ou seja, estamos há muito perante uma desideologização de PS e PSD. Ambos têm mostrado uma sobreposição de ideias que muitas vezes torna quase impossível discernir de quem são algumas propostas, quanto mais atribuir--lhe os rótulos de esquerda ou de direita, que apenas fizeram sentido nos primeiros tempos de Mário Soares e de Francisco Sá Carneiro.»
...

2 comments:

Rogério Pereira disse...

Tenho pena
Mas a Filipa não é Filipa
é... Filomena
(as gafes são como as cerejas...)
Mas subscrevo...
Apenas uma interrogação: A foto não deveria ser uma só cabeça para dois troncos?

Joana Lopes disse...

Obrigada, já corrigi.
Qaunto à foto, tanto faz...