18.5.20

O dilema do sr. Melo



«Há quem diga que o sr. André Ventura é comentador desportivo. E talvez o sr. Nuno Melo seja uma espécie de apanha-bolas do PPE no Parlamento Europeu. Tudo os une e tudo os divide, mesmo quando a política não passa de um jogo de claques de futebol. O sr. Ventura vê perigosos ciganos em cada esquina. O sr. Melo vislumbra uma conspiração marxista na telescola. Cada um escolhe a história da carochinha que prefere. A do sr. Ventura é conhecida: é uma transpiração de ódio. A do sr. Melo tinha-se manifestado só em dias de míldio intelectual, quando fez uma vénia ao partido espanhol Vox. Claro que há uma enorme diferença ideológica entre o sr. Nuno Melo e o sr. André Ventura. O sr. Melo degusta escargots num café selecto de Estrasburgo. O sr. Ventura come caracóis na tasca da esquina. Daí estarem em agremiações diferentes.

Esse é um cisma ideológico que explica muita coisa. O sr. Melo teme viver no país dos sovietes, depois de folhear a aventura de Tintin publicada em 1930. Precisa de actualizar a leitura. Afinal, quis transformar a utilização de partes de um documentário emitido na telescola, onde o sr. Rui Tavares participava, numa tenebrosa conspiração bolchevique. Não era, mas o sr. Melo criou um “facto alternativo” para justificar a sua presença nas redes sociais e nos media. É uma pena saber que o sr. Melo não vai aparecer na telescola. Não se lhe conhece nenhuma ideia ou pedaço de ideia sobre qualquer tema que não seja política. Talvez, com um pouco de sorte, a birra do sr. Melo possa surgir, no futuro, no Canal Panda.

Dizia Maquiavel: “São tão simples os homens e obedecem tanto às necessidades presentes, que quem engana encontrará sempre alguém que se deixará enganar.” O mundo actual está cheio de crédulos. E ainda estará mais, quando a crise se revelar totalmente. O sr. Ventura já delimitou o seu canavial nesse novo mundo. Já o CDS não sabe o que é. Se democrata-cristão. Se de direita moderada. Se de direita extremista. Face a isso, os seus apoiantes mais moderados vão refugiar-se no PSD. Ou seja, o CDS arrisca-se a deixar de ser um partido. E passar a ser uma isca. Ou meia isca. E então lá se irá o lugar de eurodeputado do sr. Nuno Melo. É esse, provavelmente, o seu pavor. Daí esta estratégia de tentar ser uma versão moderna do bardo de Astérix, o divertido Assurancetourix. Só que, quando este começava a cantar, todos fugiam.

O sr. Melo gostava de ter os votos do sr. Ventura, mas agarrando-os com luvas de pelica. Para não ficar contaminado. O sr. Ventura desdenha o sr. Melo. Este detestaria ser o sr. Ventura. Os fatos e as camisas brancas do sr. Melo nunca conquistarão o eleitorado mais à direita. Porque, se o sr. Melo não tem arcaboiço para ser um ideólogo, também é incapaz de ser um sargento de tropas. Os partidos conservadores, tal como os sociais-democratas, crescem quando a polarização política é mínima. O CDS, perdido, não sabe se há-de ser sensato ou radical. A questão é que nenhuma das soluções o salva. Daí a política de terra queimada do sr. Melo.

A chegada do sr. Chicão não resolveu o problema. O CDS é hoje uma versão deprimente da canção A Moda do Pisca-Pisca. E, nela, o sr. Melo parece agora, para pena de todos, o groupie de um grupo onde o sr. Ventura é o vocalista. É certo que os partidos políticos são hoje simples máquinas eleitorais sem músculo ideológico. Jogam sobretudo com as emoções, que são mais úteis para ganhar eleições, do que com as ideias. Mas momentos como este necessitam de respostas complexas, e não de caldos de galinha. O sr. Melo nunca será um ideólogo de uma nova direita. Nem um líder para ela. Mas socorre-se da mesma falta de elegância: busca o maniqueísmo e o enfrentamento fácil, como a extrema-direita, para se mostrar. Poderia ter aproveitado para enriquecer a política. Não foi o caso.

É no meio do caos que, normalmente, vencem os radicais sem princípios morais ou éticos. O sr. Ventura sabe isso. Percebe que parte do eleitorado, que previamente foi polarizado, prefere soluções fáceis e rápidas em vez de respostas inteligentes e complexas. Isto não favorece os partidos tradicionais. Mas a arte destes, e da sobrevivência da democracia, está em lutar contra este tribalismo extremista. Como dizia Tywin Lannister: “Algumas batalhas são vencidas com espadas e lanças, outras com papel e caneta”. Será no território dos “vencidos pela covid” que se centrará o próximo debate político pelo poder. E a sua conquista. O sr. Nuno Melo, lamentavelmente para ele, não fará parte desta guerra dos tronos.»

.

1 comments:

Unknown disse...


Muito bom. Seja a realidade o que for - no caso a realidade da política institucional - a narrativa cómica é a que melhor me parece retratá-la. Parabéns ao autor.

nelson anjos