28.10.13

Modas e bordados



«Fazer a reforma do Estado não é, ao contrário do que pensa o Governo, um exercício de administração de LSD em doses sucessivas até o doente enlouquecer. O Governo não reformou o Estado nem se presta a fazê-lo, apesar das vãs esperanças de que Paulo Portas mostre o seu diagnóstico secreto ou de que nas próximas duas legislaturas se cumpra o destino, como diz um membro do executivo.

O Governo fez da reforma do Estado uma forma de destruir a administração pública. É uma mistura de corte e costura com modas e bordados. Por isso a política de estrangulamento de tudo o que é acção pública é feita por "boys" que chegam aos Ministérios sem saber que uma acção a montante causa uma catástrofe a jusante, sem escutar ninguém, e impõem decisões letais. (...)

Não é por acaso que o caos reina hoje na administração pública, que só não paralisa totalmente por milagre e devido à acção de quem serve o interesse público.»

Fernando Sobral, no Negócios de hoje.
.