10.3.09

Que bom seria se Angola ainda fosse nossa?













José Eduardo dos Santos está em Portugal, na primeira visita de Estado desde que subiu ao poder há cerca de trinta anos. Viagem com fins eminentemente económicos: em tempo de fundilhos em mau estado e com um novo banco na manga, há que evitar conversas incómodas – real politik ou business as usual, como preferirem.

E, no entanto, todos conhecemos mil histórias de negócios duvidosos e faustas vidas dos governantes desse país riquíssimo, onde a esmagadora maioria do povo é miserável. Onde se mata para roubar um telemóvel. Onde se é preso por escrever ou por falar, como no Portugal colonizador.

A secção portuguesa da Amnistia Internacional dirigiu uma longa carta a Luís Amado, onde declara que «continua preocupada com as violações dos direitos humanos cometidas com aparente imunidade por agentes da polícia em Angola nos últimos meses», ao mesmo tempo que denuncia situações concretas e chama de novo a atenção para o caso de José Fernando Lelo, antigo correspondente da «Voz da América», condenado a doze anos de prisão «apenas por expressar as suas opiniões e as suas críticas ao governo».

Paralelamente, o Bloco de Esquerda anunciou que não estará presente no encontro que José Eduardo dos Santos terá, na Assembleia da República, com Jaime Game e representantes dos grupos parlamentares, tendo declarado que «o Estado Português deve ter relações com Angola, mas não pode desconhecer o que se passa neste país, nem muito menos aproveitar-se dele, assumindo uma visão exclusivamente pragmática com ausência de valores».

Iniciativas «piedosas», ineficazes, puramente simbólicas? Provavelmente. Mas de símbolos também é feita a vida e convém não o esquecer quando são bem mais fáceis solidariedades com causas longínquas e líderes coloridos e carismáticos, do que com estes parentes próximos que, para o bem mas nem sempre, estão aqui mesmo ao virar de uma esquina da nossa história.

3 comments:

septuagenário disse...

Com os africanos é assim:

Quando o 1º Ministro inglês diz que Mandela é de apoiar e Mugabe é de condenar, ou vice-versa, a oposição concorda.

Com os nossos 1ºs há sempre um Bloco à esquina.

Somos históricamente complicados.

Eduardo Lapa disse...

Título e foto expressam muito bem aquilo que penso ser, no fundo, a posição de muita gente que fala/escreve sobre Angola.

É pena o texto não desenvolver a ideia do título/foto.

Unknown disse...

o músico moçambicano azagaia é perceguido e acredito que está na mira inconrendo todos os riscos incluindo de uma injenção14 caso a situação dele favoreça, tudo porque emiti sua opinião em relação a alguns atiradores e ilicitamente afurtunados confira aqui http://debatesedevaneios.blogspot.com/2008/05/pgr-intimida-cantor-azagaia.html africa preciza do moises para salvar os filhos de alguém com muita urgência.