17.12.08

Evocação do padre Felicidade

José da Felicidade Alves morreu no dia 14 de Dezembro de 1998, com 73 anos. Realizou-se ontem uma sessão, organizada pelo Centro de Reflexão Cristã e pelo Centro Nacional de Cultura, onde amigos de velhas lutas se reencontraram e o recordaram.

Com uma vida atribuladíssima, foi uma das figuras centrais da oposição dos católicos à ditadura, sobretudo a partir de meados da década de 60 e é como tal que aqui será recordado. Não se estranhe que continue a chamar-lhe «padre Felicidade»: faço-o unicamente porque foi como ele sempre desejou ser tratado - até ao fim.

Texto na íntegra aqui.

3 comments:

MC disse...

Joana, comovi-me com a sua evocação do padre Felicidade. Vergonha, sendo do mesmo concelho e saber tão pouco do padre Felicidade. O que sei é em linhas gerais. Enfim, dentro na Igreja (oficial, alinhada...) ele não era tido como exemplo.
A verdade é que o que ele fez e outras pessoas fizeram, fez e continua a fazer sentido na história da Igreja. Não sei se alguma vez a Igreja no seu todo vai aderir a essa forma redical de viver o Evangelho. Duvido. Mas o testemunho dele e outros continuarão a ser escutados por quem não teme viver exilado ou à margem do estabelecido.

rui disse...

Joana, também lá estive e, mesmo sem ter vivido essas "velhas lutas" de q fala (nasci em 1972) e de não ter encontrado ninguém conhecido (refiro-me a conhecimento pessoal...), não pude deixar de sentir toda aquela memória como património meu, da Igreja a q pertenço.
Tocou-me particularmente a denúncia, na voz do Pe. Felicidade, do excesso legalista/burocrático da Igreja. Mas outras coisas me tocaram e me dão esperança.

Joana Lopes disse...

MC e Rui,

Vocês que são católicos têm aqui um belo exemplo para vos encorajar em muitas coisas.

(Rui, Afinal estivemos na mesma sala e continuamos sem nos conhecermos. Abraço)